Tag: dicas

5 aplicativos para exercitar o cérebro

Quem nos acompanha há algum tempo sabe que acreditamos muito no poder do conhecimento. Por isso, adoramos dar dicas para aprimorar o aprendizado de nossos alunos e leitores. Já falamos sobre como o sono pode contribuir para a memorização, dicas para ler mais e melhor, como criar um cantinho de estudos eficiente, entre outros assuntos interessantes para quem busca uma ajudinha para elevar o patamar na área educacional.

Em um mundo cada vez mais tecnológico e conectado, nada mais justo que aproveitar os inúmeros recursos disponíveis para aperfeiçoar a capacidade mental e desenvolver o raciocínio lógico. Que tal passar alguns minutos por dia exercitando o cérebro com seu smartphone? Confira as nossas dicas de aplicativos abaixo e esteja preparado para expandir sua mente de forma rápida e prática.

1. Lumosity

Disponível para: iOS e Android

Baixado por mais de 70 milhões de pessoas em todo o mundo, Lumosity é um app que visa desafiar a memória de seu usuário por meio de 25 jogos cognitivos que se adaptam conforme o seu desempenho pessoal. Criado por um time de cientistas, a ferramenta é utilizada por mais de 40 instituições acadêmicas em todo o mundo, auxiliando pesquisadores na investigação e compreensão de diversos fenômenos neuropsicológicos. Não é bacana?

2. Fit Brains Trainer

Disponível para: iOS, Android e Windows Phone

Com uma interface simples e intuitiva, o Fit Brains Trainer é um aplicativo que busca estimular a memória, a velocidade de raciocínio e a lógica por meio de 360 sessões de treinamentos. Classificado como o aplicativo número um em mais de 90 países, a ferramenta conta com a chancela de publicações renomadas como Wall Street Journal, Women’s Health e Discorver Magazine.

3. Qranio

Disponível para: iOS, Android e Windows Phone

Qranio é um app criado por uma startup brasileira que visa estimular o conhecimento de novos assuntos por meio da gamificação do aprendizado. A cada sessão, o usuário recebe perguntas sobre diversas áreas para testar seu conhecimento, recebendo Qi$ (a moeda virtual do jogo) para cada resposta correta. Ou seja: quanto mais acertar, mais receberá recompensas para trocar por prêmios virtuais.

4. Little Things Forever

Disponível para: iOs e Android

Um aplicativo que ajuda a desenvolver concentração, foco e atenção de forma simples e divertida. O objetivo do jogo é encontrar pequenos detalhes escondidos em cenários amplos – uma espécie de “Onde Está Wally?” com objetos diversos. A pontuação é calculada conforme a velocidade que o usuário finaliza as tarefas. Além disso, o app também auxilia a desenvolver raciocínio rápido.

5. Eidetic

Disponível para: iOs

A proposta do Eidetic é desenvolver uma habilidade neurológica muito específica: a memória. Para tal, ele utiliza a técnica de repetição espaçada, método que consiste em mostrar repetidamente um número, frase ou objeto em tempos específicos para otimizar a memorização do usuário. Ficou interessado no assunto? Leia mais aqui.

Como qualquer músculo, seu cérebro também precisa se exercitar para ficar em forma. Portanto, mantenha corpo e mente saudáveis, isso trará benefícios não só para os estudos e a vida profissional, mas também proporcionará mais qualidade de vida para seu futuro. Afinal, com maior capacidade de memorização e de raciocínio lógico você terá mais agilidade e desenvoltura de pensamento para encarar os desafios do dia a dia. Faça o teste, baixe os aplicativos da nossa lista e comente suas percepções logo abaixo. ;-)

5 filmes que superaram as obras nas quais foram inspirados

Viver em sociedade é aprender a respeitar as diferenças. Seja no futebol, na política ou no dia a dia, conviver em equilíbrio é – como diz aquele famoso ditado popular americano – “concordar em discordar”. Mas existem algumas situações quando parece que todas as opiniões do mundo combinam perfeitamente em harmonia: Freddie Mercury era um cantor incrível, entrar no mar aos poucos é sempre pior do que se jogar de uma vez e os filmes inspirados em livros nunca são tão bons quanto a obra original.

Será?

A verdade é que nós mesmos já afirmamos isso nas nossas redes sociais mais de uma vez. Essa sensação ocorre, em grande parte, porque os livros trabalham com a nossa imaginação e, diferentemente do que acontece na telinha, a nossa imaginação não tem limites. Contudo, percebemos que precisamos nos retratar. Existem exceções à regra que vale a pena você conhecer. Confira algumas sugestões abaixo!

1. O Poderoso Chefão

Já começamos em grande estilo, não acha? A trilogia de “O Poderoso Chefão” é considerada uma obra prima do cinema. Mario Puzo, autor do livro homônimo que deu origem aos filmes, escreveu personagens memoráveis – é verdade. Contudo, foi nas mãos de Francis Ford Coppola que eles tomaram vida. Para críticos, o livro dedica muitas páginas a subtramas desnecessárias, tornando a leitura um pouco cansativa. Com o roteiro mais limpo e conciso, somado ao belo trabalho realizado pelo compositor Nino Rota e o casting poderoso (especialmente a escalação do experiente Marlon Brando como Don Vito Corleone), a obra conseguiu alavancar a história de Puzo a um novo patamar, tornando-se um dos filmes mais famosos de todos os tempos.

2. Laranja Mecânica

Baseado no livro de Anthony Burgess, o filme de Stanley Kubrick segue as características citadas na obra anterior. O livro de Burgess, assim como o de Puzo, é bom. Contudo, por meio da visão artística do diretor, a narrativa se torna genial. Kubrick adaptou a obra com bastante fidelidade – menos o último capítulo, quando Alex (o protagonista) sente uma súbita necessidade de mudar a sua vida. Ao que contam, essa diferença do papel para a telinha aconteceu por acidente e Kubrick teria recebido uma edição do livro sem a última parte. Será? Enfim, de propósito ou não, críticos concordam que, ao finalizar o filme da forma como foi, o diretor criou um dos maiores clássicos disruptivos da história do cinema.

3. O Curioso Caso de Benjamin Button

Criada por F. Scott Fitzgerald (autor de “O Grande Gatsby”, livro o qual já recomendamos anteriormente), a obra conta a história de um homem que nasce velho e rejuvenesce com o passar do tempo. Nela, Benjamim é um homem bem menos romântico e maduro que o personagem estrelado por Brad Pitt e a personagem de Cate Blanchett, Daisy, não existe. A única figura feminina na vida do protagonista é Hildegard – uma mulher que se atrai pela idade avançada de Benjamim, mas perde o interesse à medida que ele se torna mais jovem. Diferentemente do longa, a passagem das etapas de vida do personagem principal é retratada de forma mais estereotipada e superficial, sem a dramaticidade empregada pelos atores e diretores. Ou seja: ponto para o filme!

4. Clube da Luta

Diferentemente do primeiro da lista, aqui o problema não é enrolação. Muito pelo contrário! Com apenas 272 páginas – existem TCCs e artigos científicos mais longos que isso – o livro de Chuck Palahniuk falha em dar espaço para o desenvolvimento dos seus personagens. Diferentemente do filme de David Fincher, a obra original não consegue apresentar as minúcias da relação entre o excêntrico Tyler Durden e Marla Singer, deixando muito a desejar na formação do clímax da história. Além disso, as atuações de Brad Pitt e Edward Norton também contribuem para dar mais credibilidade à narrativa sobre conflito, violência e rebeldia contra o sistema.

5. Forrest Gump

Se você nem sabia que Forrest Gump era um livro, não se preocupe. Isso não é motivo para se envergonhar. A obra só começou a ser conhecida pelo grande público após o lançamento do filme, em 1994. Desde então, ela já vendeu mais de 1,7 milhão de cópias em todo o mundo, enquanto o longa recebeu seis estatuetas do Oscar pela adaptação. Por meio do trabalho do diretor Robert Zemeckis, Tom Hanks conseguiu transformar o inocente contador de histórias em um ícone do cinema americano, encantando os corações de milhares de espectadores como nós (e muito provavelmente você também). Contudo, na obra original, Forrest passa por uma série de situações – no mínimo – inusitadas, o que acaba fazendo com que o leitor não se sinta tão identificado com o personagem do livro como no do filme. Quer um exemplo? No livro, Forrest viaja para um planeta distante onde faz amizade com uma primata alienígena chamada Sue. Dá pra imaginar?

E aí, concorda? Lembra de algum outro filme que é melhor que o livro que o inspirou? Conta pra gente nos comentários! ;-)

5 dicas para se tornar um leitor melhor

Lembre-se da sua primeira aula de história do ensino médio. Naquela época, o seu professor provavelmente desenhou uma linha no quadro, separando-a com cinco risquinhos. Esse desenho era a Linha do Tempo da humanidade e o primeiro risquinho era a invenção da escrita – fenômeno que marcou o fim da pré-história.

Você pode estar se perguntando: por que esse acontecimento era tão importante? Aquele mesmo professor que desenhou a linha deve ter sinalizado que, graças à escrita, os nossos antepassados puderam transmitir conhecimentos e informações uns aos outros, sem interferência do temido “telefone sem fio”.

Hoje, centenas de milhares de anos depois, escrever virou profissão e ler se tornou hobbie. O mercado literário brasileiro, por exemplo, é avaliado em R$5,4 bilhões pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) e atende as necessidades de mais de 88 milhões de amantes da leitura – um número que representa metade da população brasileira.

Ler, nesse sentido, é mais que um momento de busca de informações ou de lazer. Para muitos a leitura é a única forma de conhecer outras regiões e culturas, sejam elas reais (como o famoso O Código Da Vinci) ou não (como a trilogia do Senhor dos Anéis). Algumas vezes, essas histórias se passam em um futuro distante (Admirável Mundo Novo). Outras, em um ou mais planetas estranhos (O Guia do Mochileiro das Galáxias). Mas, qualquer que seja o destino, o que importa é que ler pode ser uma ação muito mais íntima do que assistir um filme, pois os livros trabalham com a nossa imaginação e, diferentemente do que acontece na telinha, a nossa imaginação não tem limites.

Aliás, Se você tem entre 20 e 30 anos, temos uma lista de livros incríveis que você precisa conhecer.

Falando em termos mais práticos, o hábito da leitura fortalece as habilidades gramaticais do indivíduo, trazendo mais riqueza para o seu vocabulário. Dessa forma, o bom leitor tem mais capacidade de manter uma boa conversa, fazer negociações bem sucedidas e crescer profissionalmente. Por isso, se você gosta de ler mas sente alguma dificuldade em fazer da leitura uma rotina, não se preocupe. Talvez com as nossas dicas você consiga melhorar a sua habilidade com os livros. Confira:

1. Pratique, pratique e pratique

Estamos falando de leitura e, por isso, o primeiro passo não poderia ser outro senão começar a ler, certo? Portanto, tenha sempre um livro a seu alcance. Já imaginou aproveitar os momentos de espera diários para aprimorar sua leitura? Seja no ônibus, na fila do banco, nos intervalos do trabalho ou dos estudos, você pode sempre ter um livro consigo, tornando esse tempo muito mais divertido e proveitoso. Pode até parecer pouco, mas garantimos que, quando você menos esperar, estará lendo três a quatro livros por mês.

2. Cuidado para não enjoar

Você já deve ter ouvido falar que tudo de mais faz mal, certo? Na leitura essa máxima também pode ser verdade. Se você gosta, por exemplo, de romances, não é recomendável entrar de cabeça apenas nesse gênero ou você corre o risco de cansar a mente. Ler somente um tipo de história enjoa qualquer um, por isso é importante abrir os horizontes. Quanto mais você se envolver com assuntos diferentes, mais terá facilidade para ler no futuro.

3. Interaja

Ler pode ser muito mais do que folhear um livro do início ao fim. Um bom leitor se envolve com a história, aproveitando-a ao máximo. Faça anotações, procure palavras no dicionário, busque conhecer o contexto histórico em que a narrativa se passa, grife as partes mais interessantes e anote as suas dúvidas. Se tiver a chance, debata-o com amigos e familiares. Cada pessoa tem uma visão própria de uma história, por isso compartilhar ideias pode agregar ainda mais conhecimento para a sua vida.

4. Leia com os olhos, não com os lábios

Algumas pessoas têm o hábito de ler em voz alta. Outras, de movimentar os lábios enquanto passam os olhos pelas linhas de um livro. Se você se identifica com esses costumes ou conhece alguém que o faz, cuidado. Ler somente com os olhos pode até parecer um desafio, mas ao fazê-lo você acaba exercitando mais a sua mente e a sua concentração. Além disso, recitar as palavras pode atrapalhar as pessoas ao seu redor, limitando e muito os lugares em que você pode fazer a sua leitura diária.

5. Comprometa-se

É bem provável que você já tenha escutado alguém dizer: “O livro ‘X’? Quase desisti. Ele só fica bom depois da metade”. Isso ocorre, especialmente, se o livro for um clássico da literatura. Por ter a linguagem mais rebuscada, muitas pessoas perdem a chance de conhecer histórias maravilhosas que servem de referência para inúmeros filmes, séries e outros livros famosos de hoje. Então, que tal lançar um desafio pra si mesmo? Evite abandonar um livro antes de um número razoável de páginas. Quer uma sugestão? Que tal começar com 50? Assim você consegue dar tempo para que a história se desenrole o suficiente para prender a sua atenção – ou não.

Ler pode ser muito prazeroso, mas você precisa estar aberto para isso. Faça um teste, siga as nossas dicas por um ou dois meses e confira o resultado. Acredite: você irá ficar tão apaixonado pelo mundo literário quanto a gente!

10 vídeos para dominar os cortes básicos de cozinha

Cozinhar é uma arte. E, como em toda forma de arte, é preciso muita prática para atingir a perfeição. Grandes artistas plásticos como Van Gogh, Picasso e Da Vinci, por exemplo, precisaram aprender muita coisa sobre as técnicas básicas de desenho e pintura antes de alcançar os seus estilos icônicos e criar as obras-primas que todos apreciamos até hoje. Na gastronomia, o processo é o mesmo. Seja você um aspirante a chef profissional, um mestre-cuca de fim de semana ou apenas um aventureiro faminto, é importante conhecer algumas técnicas básicas de cozinha antes de tentar criar a sua própria “Monalisa do paladar”.

Na era do YouTube, o conhecimento está cada vez mais acessível – especialmente quando o assunto é gastronomia. E, por que não se aproveitar das facilidades dessa plataforma para aprender mais sobre os cortes básicos de cozinha? Selecionamos seis videoaulas do chef italiano Emmanuele Cucchi, do canal brasileiro SambaCooking, para você acompanhar e aprimorar suas habilidades. Confira!

1. Mirepoix

2. Julienne

3. Brunoise

4. Concasser

5. Chiffonade

6. Rondelle (ou rodelas)

Está esperando o que para colocar a mão na massa? Se você tem interesse em conhecer outras técnicas gastronômicas e, de quebra, aprender a preparar pratos de diversos cantos do mundo, inscreva-se nos cursos livres do Senac! ;-)

7 aplicativos para quem quer empreender

Precisamos ser sinceros: empreender não é nada fácil. Mas, acredite, assim como quando você aprendeu a andar de bicicleta, as dificuldades do período de aprendizado não se comparam à liberdade de poder seguir o próprio caminho.

No começo, era difícil manter o ritmo das pedaladas sem cair, certo? Por isso, é bem provável que seus pais tenham equipado sua bike com rodinhas laterais, de modo a ajudá-lo a aumentar a sua autoconfiança. Hoje você pode até não precisar mais desse tipo de acessório, mas ele foi essencial para o início do seu treinamento.

Com o empreendedorismo acontece algo muito parecido. Chega um momento que você se encontra frente a uma estrada de difícil acesso, na qual precisará se equipar com os melhores instrumentos disponíveis para conseguir fazer a trajetória com sucesso. Essa é a hora que você poderá contar com a ajuda de alguns aplicativos criados especialmente para facilitar a sua vida – ou melhor, a vida do seu negócio. Confira:

1. Agendor

Disponível em: iOS e Android

Agendor é um aplicativo de CRM (Customer Relationship Management) Online desenvolvido para otimizar e organizar os processos comerciais da sua empresa – algo que você vai precisar bastante se quiser fazer o seu negócio crescer de forma sustentável. Entre as suas principais funções estão: centralizar o cadastro de clientes, controlar entradas e saídas de estoque e analisar o desempenho da equipe de vendas.

2. Evernote

Disponível em: iOS, Windows Phone e Android

Um aplicativo para você coletar, organizar e armazenar o que quiser. Crie notas, guarde links importantes, grave insights, guarde fotos de contratos de clientes e fornecedores… Enfim, reúna as principais informações ligadas ao seu negócio em um banco de dados virtual que pode ser acessado tanto via mobile quanto web. Prático, não?

3. CamCard

Disponível em: iOS, Windows Phone e Android

Toda reunião que se preza inicia com a troca de cartões de visita. Por isso, depois de alguns meses batendo papo com clientes, parceiros e fornecedores, é muito provável que você seja soterrado por um montante de papel.

Com o CamCard você poderá fotografar cada cartão, capturar os seus dados – nome, telefone, empresa, cargo e e-mail – e os organizá-los na agenda do seu smartphone como um novo contato, tornando todo o processo mais simples e eficiente.

4. Endeavor Vídeos

Disponível em: iOS

Todo empreendedor precisa de um chá de inspiração de vez em quando – um estímulo de quem já passou pelas mesmas situações e conseguiu dar a volta por cima. Por que não receber essa ajudinha de alguns dos principais empresários do nosso país?

É exatamente isso que a Endeavor se propôs a fazer. Neste aplicativo você encontra dicas de grandes nomes, como Abílio Diniz (Pão de Açúcar), Luiz Seabra (Natura), Robinson Shiba (China in Box), Beto Sicupira (Inbev), Alexandre Costa (Cacau Show), Roberto Civita (Abril), entre outros, sobre como tocar o seu próprio negócio.

5. Todoist

Disponível em: iOS e Android

Já deu para perceber que a palavra-chave para ser um empreendedor bem sucedido é organização, certo? Dessa forma, não podíamos deixar de sugerir um gerenciador de tarefas para ajudá-lo a coordenar as atividades da sua nova empresa.

Todoist é uma ferramenta que gerencia listas de afazeres e as organiza por data de entrega. Com ela você pode agendar tarefas, delegar projetos e acompanhar o desenvolvimento da sua equipe, tanto online quanto offline. O aplicativo também possui uma versão para desktop e navegador, facilitando ainda mais o controle de todos os processos operacionais do seu negócio.

6. Sunrise

Disponível em: iOS e Android

Sim, nós sabemos que já existem várias ofertas de calendários para smartphones disponíveis no mercado. Mas, para um novo empreendedor, isso pode não ser suficiente para agendar todos os compromissos da semana.

O Sunrise Calendar reúne os eventos e datas importantes do Facebook, Agenda Google, Evernote e Todoist, tudo em um só lugar, o que permite maior controle sobre os seus compromissos pessoais e profissionais. Além disso, o aplicativo também possui a função “Meet”, cuja função é identificar os períodos livres da sua agenda e compartilhá-los com clientes e fornecedores com apenas um clique.

7. Qipu

Disponível em: iOS, Windows Phone e Android

Criado a partir de uma parceria entre Sebrae e Buscapé, o aplicativo se propõe a ajudar microempreendedores individuais (MEIs) a controlarem as obrigações das microempresas, enviando alertas sobre contribuições fiscais, arrecadações e benefícios, além de facilitar o gerenciamento das operações financeiras do seu negócio. Por meio da ferramenta, você também pode lançar receitas e despesas, fotografar comprovantes e emitir notas fiscais.

Além de todas essas ferramentas, você também pode contar com a nossa ajuda. Matricule-se em um de nossos cursos de pós-graduação na área de Gestão e obtenha o conhecimento necessário para comandar a sua própria empresa. Confira também alguns de nossos outros posts sobre o tema. Temos certeza que eles serão muito úteis nessa desafiadora jornada. :-)

Boa sorte e ótimos negócios!

5 hábitos saudáveis para ter mais disposição

Pode ser segunda, terça, quarta, quinta ou sexta-feira. Não importa o dia da semana, você sempre vai ouvir alguém reclamar de cansaço. Não importa a hora também: às vezes você mal acorda e já fica imaginando a hora de voltar para o conforto da sua cama. Essa sensação tem o nome de esgotamento, um mal contemporâneo que você não precisa sofrer se não quiser. Basta fazer algumas mudanças saudáveis em sua rotina.

Mas, por que tanto cansaço?

O motivo, muitas vezes, não tem nada a ver com idade ou com a falta de energia, mas sim com algumas atitudes aparentemente inocentes que, repetidas todos os dias, tornam-se nocivas ao bem-estar. Dormir pouco, passar muito tempo em frente ao computador, não ter uma alimentação balanceada… muitas variáveis influenciam em sua qualidade de vida e, consequentemente, no seu repouso físico e mental.

E aí, depois de todas essas informações, você deve estar pensando: “Isso tem cura, doutor?”.

Se você não possui nenhum problema de saúde e está com seus exames de rotina em dia, talvez essa sensação de fadiga seja apenas cansaço, algo que pode mudar com algumas práticas mais saudáveis. Faça uma experiência, siga as nossas dicas para ter mais disposição. E não esqueça: se mesmo com hábitos mais saudáveis o cansaço continuar, é importante procurar um médico.

1. Beba muita água!

Sabe aquele papo de tomar, no mínimo, dois litros de água por dia? Pois é, isso é verdade. Quando o seu corpo está com apenas 2% de desidratação, o sangue já fica mais espesso, dificultando o fluxo de oxigênio e nutrientes até as suas células. Ao manter-se hidratado, você se energiza e, de quebra, fica com a pele mais bonita.

2. Exercite-se mais

Parece contraditório, mas não é. A prática regular de exercícios aumenta a nossa força e resistência física, além de contribuir para o bom funcionamento do sistema circulatório. Por isso, que tal deixar a preguiça de lado e renovar a matrícula na academia? Caso você não curta esse tipo de ambiente, não tem problema. Existem diversas outras atividades que você pode escolher, como: dança, natação, ciclismo, artes marciais, caminhada, etc. O importante é não ficar parado.

3. Uma coisa de cada vez

Estudar enquanto assiste TV e troca mensagens no Whatsapp pode não ser uma boa ideia – algo que nós já falamos por aqui. Ao tentar fazer várias coisas ao mesmo tempo, você desperdiça muita energia mental e não consegue se focar em nenhuma delas, deixando o cérebro literalmente exausto. Para que a pressa? Tome o seu tempo e faça cada atividade de uma vez, e conforme a prioridade. Só assim você fará um bom trabalho de verdade.

4. Cama não é lugar de celular

A cena é clássica: você, na cama, com o celular na mão. Ao deitar você jurou que iria dormir, mas, depois de passar 45 minutos conferindo a newsfeed do Facebook, o sono resolveu fugir porta afora. (Quem nunca?).

A realidade é que a luz desses aparelhos afeta a produção de melatonina, hormônio produzido pelo cérebro durante a noite para nos ajudar a pegar no sono. Por isso, seja forte! As notificações do seu celular ainda estarão lá pela manhã. Seu sono talvez não.

5. Tenha uma alimentação saudável

Se a sua alimentação consiste basicamente em biscoitos, pizzas e refrigerantes, talvez seja hora de rever seus conceitos. Carboidratos simples, como o do pão e da massa de pizza, são transformados em açúcar pouco depois de ingeridos, o que aumenta o índice glicêmico do sangue e aumenta a sensação de cansaço.

O ideal seria restringir o consumo desse tipo de alimento ao mínimo possível. Mas, não precisa se sentir culpado ao fazer os pratos deliciosos que ensinamos aqui no blog de vez em quando. O segredo é ter moderação.

É só isso. Seguindo essas cinco dicas simples você poderá dizer adeus ao cansaço e dizer olá para a produtividade.

Faça o teste e não se esqueça de comentar os resultados. :-)

5 dicas para criar um cantinho de estudos eficiente

Você pode até frequentar uma instituição de ensino muito bem conceituada, ter ótimos professores e possuir o melhor material didático disponível no mercado. Porém, se você não tem o hábito de rever as suas anotações após as aulas, é muito provável que o seu desempenho não esteja tão bom quanto poderia.

Talvez você tenha tentado muitas vezes, mas depois de algumas frustrações decidiu que esse negócio de estudar não era para você. Com o passar do tempo, a sua mente pode ter pregado algumas peças, fazendo-o acreditar que ou você entende o conteúdo perfeitamente na hora que o professor está explicando, ou não vai entender nunca mais.

Contudo, não se preocupe. Existe uma grande possibilidade de que o problema não seja o seu cérebro, mas sim o local onde você estuda. Fatores externos como iluminação, ventilação, ruídos e temperatura local podem facilitar ou dificultar a concentração nos livros, dependendo da sua intensidade. Por exemplo, muito barulho pode facilmente distraí-lo do seu objetivo, porém o silêncio absoluto também pode atrapalhar, causando inquietação.

Para auxiliá-lo a montar o cantinho de estudos perfeito, separamos algumas dicas para potencializar o seu aprendizado. Confira!

1. Quarto, sala ou cozinha?

Qual o melhor ambiente para estudar?

Escolha um ambiente tranquilo e iluminado, onde não haja a passagem constante de pessoas. Caso a sua família seja numerosa, estudar na sala de estar talvez não seja a melhor das ideias. Convenhamos: a chance de você querer começar uma conversa aleatória com alguém é bastante grande.

2. Um assento digno da realeza

O tipo de cadeira também é importante.

Antes de mais nada, garanta uma cadeira confortável e ergonômica. Certifique-se de que o encosto será firme o suficiente para sustentar as suas costas e procure sempre manter a postura o mais ereta possível, assim você evitará lesionar sua coluna enquanto estuda.

3. Monte um “kit de estudos”

Lápis, caneta, calculadora... O que precisar!

Não há nada pior do que interromper uma linha de raciocínio. Mesmo que seja apenas para buscar uma caneta, uma calculadora ou um dicionário, dificilmente você conseguirá retomar as ideias exatamente do momento em que parou. Por isso, procure manter todos esses materiais previamente organizados no seu cantinho especial. Assim você evitará desviar a atenção do que realmente importa: os livros.

4. Fique longe do perigo

Nada de celular!

Evite manter computadores, videogames e celulares próximos a você – eles são campeões em sequestrar a sua atenção. Dessa forma, nada de checar o Whatsapp enquanto estuda. Coloque o seu aparelho no silencioso e deixe-o longe do seu alcance.

5. Mantenha tudo organizado

Mesa limpa, mente limpa.

Você sabia que tudo o que o olho enxerga o cérebro transforma em informação? Por isso, evite bagunças e materiais desnecessários. O seu cantinho deve ser visto como um lugar sagrado, criado exclusivamente para melhorar a aprendizagem.

E você? Tem alguma dica para ajudar quem precisa aumentar o desempenho na escola ou na faculdade? Comente!

Criatividade: habilidade natural ou fruto de muita prática?

“Procura-se: (insira a sua profissão aqui)”.

Assim começa o anúncio de uma vaga de emprego encontrada nos classificados online. Ao passar os olhos pelas especificações do perfil profissional, você lê uma frase que parece ser a solução para todos os problemas de uma empresa (e quem sabe do mundo): precisa ser criativo.

É bastante comum ouvir pessoas dizerem que não são criativas, afinal, criatividade é algo inato a grandes gênios como Steve Jobs, Andy Warhol ou Michael Jackson. Certo? Errado!

Criatividade não é algo que está no DNA. Para o professor Brad Hokanson, da Universidade de Minnesota, não são algumas ligações moleculares que resultam nas várias nuances da nossa personalidade, mas sim o meio em que vivemos. Ou seja, mesmo que você não tenha nascido em uma família de músicos, artistas, designers ou malabaristas de circo, nada o impede de desenvolver um pensamento mais criativo.

Mas, o que é criatividade?

Criatividade é criar algo novo. Simples assim. Esse “algo” não precisa, necessariamente, ser ligado à arte. Muitas vezes um programador ou gestor financeiro precisa ser bastante criativo para resolver os problemas do dia a dia. Você mesmo, caso tenha seguido um caminho diferente parar ir para casa hoje ou se começou a ler algum livro diferente, já começou a exercitar a sua imaginação.

Ser criativo é ser desafiado. Toda vez que uma pessoa opta por fazer algo diferente, sabendo que pode falhar em vez de seguir a rotina de sempre, ela está desenvolvendo o seu lado imaginativo. Fácil, não é mesmo? Então, chega de desculpas!

Você não precisa mais temer o estigma de “pouco criativo”. Para ajudá-lo a exercitar ainda mais esse novo jeito de pensar, reunimos algumas dicas para estimular seu cérebro. Confira:

Seja curioso!

1. Seja curioso

Busque novos conhecimentos, eles são o alimento da criatividade. Descobertas levam a novas informações e, consequentemente, ideias inéditas. Conheça outros lugares, leia muitos livros (já fizemos uma lista de sugestões aqui, lembra?) e assista a filmes além dos blockbusters que lotam as salas de cinema. Preencha o seu cérebro com referências variadas e, quando você menos esperar, a criatividade entrará em ação.

Ficar sozinho pode ser bem legal

 2. Ficar sozinho pode ser bem legal

Quem nunca teve uma ideia genial na calada da noite? Ou então no chuveiro pela manhã? Acredite, passar um tempo sozinho com os seus pensamentos pode ser tudo o que você precisa para acender a fagulha da criatividade que vive na sua cabeça.

Estar em grupo pode ser bem legal também

 2 e ½. Estar em grupo pode ser bem legal também

Cerque-se de pessoas criativas. Elas sempre têm alguma novidade para mostrar, seja ela uma nova música, um novo livro ou um novo local para o happy hour da semana. Assim como visto na primeira dica, essas pessoas também podem trazer ótimas referências para as suas ideias. E, falando em ideias…

Coloque as ideias no papel

 3. Coloque as ideias no papel

Há um ditado que diz: “a mente mente”. Sabe quando alguém fala alguma coisa e você decide não anotar, pois imagina que vai se lembrar depois? Então, quantas vezes você conseguiu se lembrar da informação de fato? O cérebro prega peças, portanto sempre escreva seus pensamentos, mesmo que não sejam tão criativos assim. Um dia eles poderão servir como inspiração para alguma coisa.

Pare de se importar com a opinião dos outros

4. Pare de se importar com a opinião alheia

A opinião mais importante – senão a única que deve ser levada em consideração – é a sua. Quantas vezes, quando criança, você ouviu que algo deveria ser feito de determinada forma? Que o sol tem que ser amarelo, o céu azul e a grama verde? Parece bobo, mas essas pequenas interferências podem ter influenciado a sua forma de ver o mundo, limitando o seu pensamento criativo. Contudo, veja pelo lado positivo: agora que você é um adulto consciente, ninguém pode acabar com a sua criatividade. Por isso, valorize suas ideias, por mais loucas que elas possam parecer.

Seja você mesmo

5. Seja você mesmo, sempre!

Não existe criatividade sem originalidade. Você é livre para se inspirar em todas as referências do mundo, mas jamais para copiar. Seja honesto consigo mesmo, a melhor fonte criativa de todas existe dentro de você.

O cérebro é um músculo que precisa de constante exercício para permanecer saudável. Por que não começar agora?

E, você? Tem alguma outra sugestão para exercitar a criatividade? Conte pra gente!

7 livros que todo mundo deveria ler aos 20 e poucos anos

Imagine a seguinte situação: você chega em casa após um típico dia de semana, senta-se no sofá e pensa “agora é hora de descansar”. Na mesa de centro à sua frente, você observa o controle da sua televisão, o seu celular vibrando com notificações e um livro.

Qual seria a sua primeira opção de lazer?

Se você pensou no livro, parabéns! Provavelmente, essa não seria a primeira escolha da grande maioria – o que é uma pena.

Bons livros possibilitam nos transportar para outras épocas, permitem que conheçamos outros costumes e que sonhemos com o futuro. Mas, a função mais importante que um livro pode ter é nos fazer pensar de verdade. Sem elementos visuais e sem barulhos excessivos, tudo o que existe entre você e a obra é a sua imaginação e a sua própria interpretação. Convenhamos: é só isso que você realmente precisa.

Portanto, se você tem menos de 30 anos, aproveite para conhecer algumas obras clássicas (outras nem tanto) que transformarão sua forma de ver o mundo. Se você já passou dessa idade e ainda não leu uma dessas obras, não se preocupe. Você também pode aproveitar as sugestões de leitura.

Lançado na década de 50, o livro descreve a história de um governo totalitário que proíbe qualquer tipo de material de leitura a seus cidadãos, visando limitar o seu poder intelectual ao mínimo necessário. Na obra, toda a comunicação é controlada e a única forma de consumir informação é por meio de canais de TV patrocinados pelo Estado.

1984, de George Orwell

No mesmo estilo do livro anterior, “1984” denunciou os perigos do totalitarismo e se tornou um dos romances mais influentes do século XX. Na história, não existe o conceito de liberdade ou privacidade. Todas as pessoas estão sob vigilância incessante do “Big Brother” – em português, “Grande Irmão” – que observa a tudo e a todos por meio de telas espalhadas pelas ruas das cidades. E aí, parece familiar?

Nem só de romances e ficções sobrevive a boa literatura. Stephen Hawking – um dos grandes nomes da teoria física da atualidade – prova que é possível fazer livros de divulgação científica de maneira interessante, envolvente e acessível para leigos em geral. Na obra, Hawking busca trazer respostas para alguns dos principais questionamentos da humanidade, como por exemplo, “qual a origem do universo?”.

Esta lista jamais estaria completa sem um representante nacional, não é mesmo? Melhor ainda que esse representante seja um livro de peso como “K.”.

Aclamado pela crítica, a obra narra a história de um pai em busca da filha que desapareceu durante a ditadura militar, situação bastante familiar para inúmeros pais e mães brasileiros ainda hoje. Mais do que apenas um livro, “K.” serve como um lembrete de um dos capítulos mais terríveis da história do Brasil, um período que todo jovem deveria conhecer.

Eleito um dos maiores romances da língua inglesa até o momento, o livro retrata a sociedade nova-iorquina durante os anos 20, época conhecida como a “Era do Jazz”. Com escrita envolvente, Fitzgerald apresenta uma crítica social à futilidade exagerada por trás do “sonho americano” de uma maneira que – quase 100 anos depois – sua obra continua a fazer grande sucesso.

A fórmula é infalível: um jovem solitário, um professor interessado em incentivar a criatividade dos seus alunos e dois novos amigos de moral (levemente) duvidosa. Como poderia dar errado? O livro, publicado em 2007, apresenta as relações familiares e de amizade de uma maneira bastante real, transportando o leitor para a sua própria adolescência – fase de descobertas, emoções e, principalmente, muitas dúvidas.

Um bom livro para crianças? Sim. Um bom livro para adultos? Também. “O Pequeno Príncipe” é uma das obras mais adoradas em todo o mundo, o que a levou a conquistar o quarto lugar na lista de livros mais vendidos de todos os tempos. Para os críticos, o que mais chama a atenção é a capacidade de que a história tem de emocionar leitores de todas as idades, trazendo um novo olhar – mais puro e ingênuo – sobre a vida.

E você, qual livro recomenda? Escreva nos comentários.

5 dicas para ficar no azul em 2016

Se você, assim como boa parte da população brasileira, está contando com a realização das simpatias de réveillon para conseguir colocar sua vida financeira nos trilhos, este post poderá ser útil.

Não tem jeito! A única forma de sair do vermelho de verdade é ter comprometimento com um longo planejamento financeiro e com um intenso corte de gastos. Será que você possui a disposição para virar a mesa? Confira as nossas dicas, arregace as mangas e comece o seu projeto “2016 sem dívidas”.

1. Saiba o quanto que você gasta (de verdade)

Pode até parecer um pouco óbvio, mas na realidade poucas pessoas sabem de fato o quanto que sai do bolso todo mês. Para descobrir, anote durante 30 dias todas as despesas da sua família, desde a conta de luz até aquele cafezinho depois do almoço. Compare o resultado com a soma das suas receitas e pergunte-se: será que não dá para enxugar alguma coisa?

2. Identifique os excessos

Os exageros financeiros podem representar até 30% das despesas de uma típica família brasileira. Para não cair nessa armadilha, observe a lista criada no item anterior, perceba quais são os gastos desnecessários e procure começar a fazer escolhas mais inteligentes.

3. Evite usar o cartão de crédito

Se por um lado o cartão representa uma facilidade para as atividades do dia a dia, por outro é considerado uma das principais causas de endividamento no Brasil – assim como o cheque especial. Para ser adepto do método de pagamento é preciso ter atenção e disciplina, portanto evite atrasar a fatura, pague sempre o valor integral e fuja das longas parcelas.

4. Sonhe, mas com os pés no chão

Nada melhor para motivar a mudança do que estabelecer metas! Imagine objetivos para curto, médio e longo prazo e analise quais são os passos necessários para chegar lá. Sabe aquele desejo de viajar para Nova Iorque? Ou aquele sonho de trocar o carro por um modelo mais atual? Certamente você poderá alcançar qualquer uma das suas ambições se conseguir manter o foco. O que nos leva ao próximo ponto…

5. Não menospreze o poder de um cofrinho

Poupar é sempre bom, mesmo que o valor seja apenas 10% da sua receita líquida. Comprometa-se com a sua poupança, invista um pouquinho do seu dinheiro todo mês e você terá uma graninha extra para realizar seus sonhos antes do que imagina.

 

5 dicas incríveis para a decoração da sua mesa de Natal

Grande protagonista da noite de Natal, a ceia é o momento em que reunimos nossos entes queridos para compartilhar uma das mais deliciosas tradições de fim de ano. De acordo com a literatura, a ideia nasceu a partir do antigo hábito europeu de abrir suas portas para viajantes e suas famílias durante o período festivo. Afim de comemorar essa data cristã, preparava-se uma farta refeição – costume que logo passou a ser adotado nos quatro cantos do mundo.

Para ornar um evento tão importante, nada mais justo do que produzir uma bela mesa natalina. Com algumas dicas de design de interiores é possível criar uma decoração perfeita para essa data especial. Confira!

1. A toalha é a estrela da festa

Comece a sua decoração pela escolha da toalha. Se você preferir usar guardanapos de pano, é preciso também levá-los em consideração. Para os amantes de uma estética mais tradicional, o uso desse tipo de item com motivos festivos já pode dar um ar bem natalino para a sua mesa.

2. Escolha uma paleta de cores atraente

Seja ela composta pelo clássico trio verde, vermelho e dourado ou talvez um pouco mais ousada – com roxo e azul, por exemplo – lembre-se: o grupo de cores é que dará o tom da decoração.

3. Separe a sua melhor louça

Especialmente se a sua ideia é seguir uma estética mais elegante. Peças com detalhes em dourado ou alto-relevo são ótimas escolhas para a ocasião. Já para uma abordagem mais descontraída, misture pratos estampados e lisos ou cores fortes com cores neutras.

4. Preste atenção nos centros de mesa

Um belo arranjo pode fazer a diferença na sua decoração. Misture flores, velas, bolas de Natal, frutas… O que quiser. É só aproveitar da criatividade!

5. Economize com a moda DIY

O movimento DIY – sigla que significa “Do It Yourself” ou “Faça Você Mesmo”, em português, que já falamos aqui – é perfeito para quem gosta de colocar a mão na massa. Além de economizar, você também pode criar enfeites exclusivos para a sua “noite feliz”.

Gostou das dicas? Inspire-se e comece a preparar a sua mesa de Natal.