Tecnologia

Descubra como as redes sociais podem ajudar no aprendizado

Muitos pensam que as redes sociais servem apenas como entretenimento, mas na verdade, quando usadas corretamente, também auxiliam – e muito – no aprendizado.  Por meio da ferramenta, pode-se aprender de uma forma mais divertida e descontraída.

A partir de um grupo criado no Facebook, por exemplo, é possível debater assuntos que a turma está estudando, fazer exercícios, tirar dúvidas e complementar a matéria com links externos – vídeos, artigos e assim por diante.

Além disso, um blog criado pelo professor, ou até mesmo pelos alunos, também é uma boa opção. O conteúdo publicado pode servir como um “extra” na aula. Lá o educador pode disponibilizar materiais para download, vídeos pertinentes ao assunto, exercícios e divulgar textos e trabalhos desenvolvidos em sala.

No mundo das redes sociais, até mesmo o Instagram pode agregar conhecimento! É possível compartilhar fotos sobre o assunto estudado, imagens de passeios em museus, vídeos de experiências em sala e assim por diante. Mas lembre-se: os vídeos do Instagram têm até 14 segundos. Para vídeos mais longos, use o Youtube.

O Slideshare é ótimo para divulgar a apresentação de trabalhos em slides e o Google Drive também é bom para criar os trabalhos e textos em grupo. Com a ferramenta, todos os integrantes podem editar o material de diferentes computadores simultaneamente.

E por falar em trabalho em grupo… O Skype é ótimo para quem precisa se reunir, mas não tem tempo. Crie vídeo chamadas e discuta o assunto com a sua turma!

Percebeu que é possível estudar usando as redes sociais? Agora ficou mais fácil compartilhar e aprender nas redes, não é mesmo?

Confira 10 softwares gratuitos e livres que podem ajudar empreendedores

Na maioria dos casos, os donos de grandes ou pequenas empresas têm que pagar por programas de computador usados no trabalho. Mas, se você quer economizar e continuar a trabalhar com qualidade, há alguns softwares livres e gratuitos disponíveis na web. Confira 10 deles:

GIMPshop: este programa é utilizado para edição de fotos. O GIMPshop possui filtros, além de ferramentas para inserir texto e criar camadas.

Inkscape: permite a criação e edição de arquivos gráficos e possibilita o trabalho com ilustrações.

Openoffice.org: este software está disponível em português e é usado para redigir documentos, criar planilhas e apresentações em slides.

MediaCoder: é usado para converter arquivos de mídia de um determinado formato para outro.

Audacity: precisa editar arquivos de áudio? O Audacity é um software que você pode cortar, mixar e remover ruídos, por exemplo, de arquivos em WAV, AIFF, MP3 e outros.

ClamWin Free Antivirus: este é um antivírus leve, que oferece diversas funcionalidades , assim como os demais e consome pouca memória RAM. Com ele você pode agendar limpezas e, caso o programa encontre algum vírus, pode alertá-lo por e-mail.

Xobni: se você recebe muitos e-mails, o Xobni irá ajudar na organização deles. Ele é eficiente para o Outlook e serve para encontrar informações sobre contatos, e-mails enviados e perfis em redes sociais.

Dropbox: este programa permite que os arquivos sejam compartilhados entre diferentes computadores. A opção gratuita conta com 2 GB de espaço para compartilhar ou sincronizar arquivos entre os usuários.

7-Zip: este software é indicado para aqueles que precisam compactar grandes arquivos.

K-Meleon: navegador livre, feito de usuário para usuário.

Onde e como atua o Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação?

Se você gosta de gerenciar projetos e se interessa pela área de TI, o Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação pode ajudá-lo a construir uma carreira de sucesso.

Os profissionais que atuam nesse segmento são responsáveis por implementar e gerenciar os recursos de TI dentro das empresas. São eles que avaliam a segurança, o banco de dados, o sistema de informação e determinam como a informática será usada para garantir bons resultados dentro de cada setor que estabelece uma companhia.

O Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação capacita profissionais para atuar como consultores dentro da área de TI, assim como administradores de equipes e de projetos voltados ao segmento. A graduação tem como base os conhecimentos específicos dentro da Tecnologia da Informação: hardware, software, banco de dados e equipamentos.

Carga horária: 2100 horas
Eixo tecnológico: Informação e Comunicação
Duração: 2 anos e meio

Perfil profissional:

Ao final do curso o aluno apresentará as seguintes competências:

Diagnosticar e analisar a infraestrutura da empresa para implantação de soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação;

Elaborar projetos de Tecnologia da Informação e Comunicação (Redes, BD, Aplicações, Equipamentos) articulando a infraestrutura tecnológica com processos, pessoas e informações;

Escolher, avaliar e coordenar soluções e necessidades de aplicativos nos ambientes de negócio;

Gerenciar processos de infraestrutura de Tecnologia da Informação;

Otimizar recursos tecnológicos, propondo soluções para os processos de produção de serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação para o negócio minimizando riscos de investimentos fornecendo subsídios na tomada de decisões (custo/benefício) na infraestrutura de Tecnologia da Informação;

Trabalhar em equipe, interagindo em situações de natureza diversificada, de forma contextualizada nas diversas atividades desenvolvidas no seu trabalho, demonstrando criatividade e autonomia na dinâmica estabelecida, propondo novas alternativas e formas adequadas à solução de problemas.

Tecnologias facilitam o armazenamento de arquivos

Você já percebeu as inúmeras possibilidades de tecnologias para armazenamento de arquivos disponíveis atualmente? Hoje é muito difícil perder um arquivo, já que podemos salva-lo em diferentes dispositivos. Além dos equipamentos físicos, o termo Cloud Computing se popularizou nas últimas duas décadas, e está relacionado à “nuvem” de arquivos, softwares, servidores, banco de dados, entre outros.

De acordo com Charles Alandt, orientador de tecnologia da informação do Senac em Santa Catarina, arquivos que hoje estão em um datacenter dos Estados Unidos, amanhã podem se encontrar no Vietnã. Com a estrutura em bits e bytes, é possível migrar arquivos pelo mundo inteiro. Tudo é realizado de forma virtual, não existe um dispositivo físico. “O importante é que estará disponível quando e onde a pessoa precisar.”

Você já utiliza a “nuvem” sem perceber quando faz uma conta de e-mail ou em redes sociais. A principal questão, nesse caso, está relacionada com a segurança de dados pessoais. Segundo Charles, não é possível garantir que as informações estarão completamente livres do acesso por terceiros. A facilidade de utilização da “nuvem” é grande, mas não é motivo de desespero caso você opte por outra ferramenta. Veja abaixo mais alternativas de dispositivos:

Discos rígidos externos – HD externo

Equivalente ao disco rígido de um computador ou notebook, o HD externo permite que você leve para onde quiser seus principais arquivos, sem que seja preciso instalá-los permanentemente.

Memória USB – Pen drive

Ideais para quem carrega arquivos mais leves, pois são práticos e podem ser guardados em qualquer lugar. É possível encontrá-los por preços atrativos em supermercados e lojas de departamento.

Cartão de memória

Com a mesma finalidade do Pen Drive, os cartões de memória são menores, mas tem a mesma capacidade de armazenamento dos dispositivos USB. Por seu tamanho reduzido são parte da fabricação de celulares, MP3, players de vídeo e outros dispositivos. Dispositivos que usam esses tipos de cartões podem interagir com um computador por meio de cabo USB especial ou leitor de cartão de memória.

 

Tecnologias aplicadas ao varejo inauguram um novo jeito de comprar

O consumidor mudou e com ele, a maneira como as compras são realizadas também. Muitos não sentem mais necessidade de ir até uma loja física procurar por um produto, pois tem na web uma outra forma para adquiri-lo, que alia praticidade, economia de tempo e muitas vezes de dinheiro. Comprar via internet evita também a interferência de vendedores, o que alguns podem considerar um pouco invasivo.

Para trazer o consumidor de volta para os pontos de venda físicos, grandes redes internacionais de varejo têm investido em novas tecnologias para transformar a experiência de compra. A loja americana de roupas Hointer desenvolveu um sistema que inova a maneira como o cliente adquire seus produtos. No local, está exposta apenas uma peça de cada modelo e por meio de um aplicativo instalado no celular, basta posicionar o aparelho em frente a uma etiqueta, ver as informações do produto e prová-lo se desejar. Para realizar a compra, basta levar a peça até um caixa automático e, sozinho, fazer o pagamento com cartão.

Outra empresa que vem investindo em novas experiências de compra para o consumidor é a Bloomingdale’s – rede de lojas de departamento norte americana. Em alguns de seus pontos de venda é possível encontrar cabines da empresa Me-Ality. A cabine, através da tecnologia Kinect, escaneia o corpo do consumidor, tirando suas medidas em dez segundos. Após isso, o cliente recebe um guia com sugestões de roupas de várias marcas que se adequam às medidas de seu corpo. Com isso, o consumidor é convidado a passear pela loja e encontrar seu “look ideal”.

Além disso, uma tecnologia que já é muito utilizada em países como Japão e Coreia do Sul, e que aos poucos começa a chegar ao Brasil, é a compra de itens de supermercado e outros produtos por meio de QR code (um tipo de código de barras). A partir de vitrines virtuais, localizadas em pontos de grande circulação, o cliente posiciona o seu leitor de QR code em frente ao código do produto, realiza a compra através do cartão de crédito e as recebe em casa. No país, a Rede Pão de Açúcar instalou em 2012, uma vitrine virtual, com mais de 300 produtos no shopping Cidade Jardim, em São Paulo. As compras realizadas pelo aplicativo são entregues em até 48 horas na casa do cliente.

Reinventar a maneira como as redes realizam o processo de venda é necessário para atrair mais consumidores para as lojas físicas e para facilitar o processo de compra. Tecnologias inovadoras atraem um tipo de público que consome e compartilha informações com muita agilidade, fazendo com que novidades ligadas à tecnologia se espalhem e sejam um diferencial no processo decisório de compra.

Para você, como serão as compras no futuro?

Startups de tecnologia em plena ascensão

O mercado de tecnologia da informação está bastante aquecido, e, com frequência, são publicadas notícias sobre o surgimento de novos produtos e softwares.  A área é uma boa opção para empreendedores iniciantes e tem sido explorada para criação de startups – empresas com origem em pesquisas de produtos, processos ou serviços inovadores. Geralmente, são encabeçadas por jovens, que estão concluindo cursos superiores em que desenvolveram pesquisas com potencial de execução.

As startups podem ser das mais variadas áreas, mas possuem características semelhantes. De acordo com Francisco Moredo, orientador de cursos superiores do Senac em Santa Catarina, essas empresas têm estrutura pequena e poucos recursos, com trabalho essencialmente técnico e focado em um projeto que se destaca pela inovação. A trajetória de uma startup é dividida em fases, e segue até que o negócio seja consolidado no mercado, tornando-se autossustentável.

O início da vida de uma startup pode ser complicado, assim como de muitas empresas. Francisco destaca que, em um primeiro momento, existe dificuldade em obter capital para investimento no projeto, então é comum buscar apoio familiar para desenvolver o protótipo. Os empreendedores também podem contar com políticas de fomento estaduais e federais e os chamados investidores-anjo. Além disso, existem as incubadoras: condomínios, virtuais ou físicos, que recebem startups e disponibilizam infraestrutura tecnológica e suporte de gestão.

A área tecnológica se destaca na criação de startups por causa da quantidade de projetos inovadores desenvolvidos e pelo estímulo a empreendedores especializados em profissões do ramo, como ciência da computação e engenharia de software. Para que as empresas sejam viabilizadas, uma questão é imprescindível: aliar qualidade técnica a uma gestão eficiente. Muitas empresas de sucesso na área de tecnologia iniciaram como startups: é o caso do Facebook e do Twitter, por exemplo.

Você sabe como se faz um site?

Já parou para pensar como são criados os sites que você acessa diariamente? Como funciona o processo de desenvolvimento dessas plataformas informativas de empresas, jornais, instituições, etc?

Se você fizer uma busca no Google com a frase “como criar um site”, os primeiros resultados serão de plataformas que disponibilizam a criação de um site pessoal ou blog de maneira totalmente gratuita. Para quem está iniciando um negócio ou deseja mostrar o seu trabalho de maneira simplificada, essa é a melhor opção! Por meio dessas plataformas é possível criar layouts personalizados, com domínio próprio e utilizar a ferramenta de maneira gratuita, mas limitada. Grande parte dos sites disponibiliza opções de layout com personalização de cores, imagens e abas de maneira a atender necessidades simples. Se a sua ideia é ter diversas funcionalidades em seu site, o melhor é procurar uma empresa especializada na criação e programação de websites.

As empresas que trabalham na área possuem profissionais capacitados para entender as necessidades de cada cliente e criar soluções personalizadas para cada um. Em uma entrevista prévia, o cliente fornece detalhes sobre seu negócio, como público alvo, abrangência e qual o papel que o site terá: seja para venda de produtos, disponibilização de informações, portfólio, simulação de ambientes, etc. A partir disso, e com base em um perfil traçado pela empresa desenvolvedora de sites, inicia o processo de criação e programação de um site.

Para criar um layout, os designers precisam captar as ideias do cliente de maneira  que suas necessidades sejam atendidas e colocar na tela todas as funcionalidades desejadas por ele. Esse processo exige criatividade para que o trabalho seja bonito, funcional e atenda a diversos aspectos ligados a experiência do usuário com o site. A partir disso o trabalho passa para os programadores. Osprofissionais de programação são responsáveis por colocar no ar (no ambiente web), os layouts criados pelos designers. Dentre as suas funções estão o desenvolvimento de ferramentas para e-commerce, animações, integração de sistemas, criação de galerias, testes e muitas outras.

O resultado de todo este processo você pode conferir diariamente na internet, em todos os sites que você acessa. :)

Jogos digitais em expansão

O mercado de jogos digitais cresce a cada dia. A popularização dos dispositivos móveis – smatphones e tablets – faz com que a demanda por aplicativos de games cresça de maneira proporcional ao aumento dos downloads. No último mês, o Flappy Bird, jogo desenvolvido por um programador vietnamita independente, teve – de acordo com seu criador – faturamento de 50 mil dólares por dia somente com os anúncios inseridos no jogo. Trabalhar com entretenimento que pode ser acessado de maneira fácil, em qualquer lugar e independente de consoles e tomadas, está se tornando cada vez mais popular e promissor.

Diante desse cenário, a busca por profissionais qualificados é constante e a especialização faz toda a diferença na hora da contratação. Para se ter uma ideia do tamanho desse mercado, a cada ano a indústria de games supera a gigante máquina de fazer cinema, muitas vezes transformando em games roteiros produzidos em Hollywood. Essa convergência de mídias fortalece as marcas envolvidas e traz novas demandas por profissionais especializados.

Em Santa Catarina, o cenário segue a tendência nacional e internacional no que diz respeito ao crescimento do mercado, por isso o Senac oferece qualificações específicas para quem deseja ingressar na área de jogos digitais. O curso Técnico em Programação de Jogos Digitais é a opção para estudantes que finalizaram o ensino médio e querem aprender a elaborar layout para websites, formatar imagens vetoriais, criar e desenvolver jogos 2D, entre outros. Os profissionais que já possuem o nível superior, como Ciências da Computação, Sistemas da Informação e Engenharia da Computação, podem cursar a Pós Graduação em Desenvolvimento de Jogos Digitais, com duração de 384 horas. Ao final desse curso, o aluno será capaz de analisar, projetar e implementar jogos eletrônicos comerciais nas plataformas Windows e Android, trabalhando em equipe de forma colaborativa, de forma autônoma ou em empresas do ramo.

Saiba mais sobre AutoCAD, programa para desenvolvimento de diversos projetos

Falar sobre arquitetura, engenharia civil e mecânica, design de interiores e demais áreas relacionadas a projetos construtivos sem falar do AutoCAD é praticamente impossível. O software para computador foi lançado em 1982 e representou um avanço na visualização de projetos. Antes dele, as projeções eram feitas em papel, sob pranchetas e com auxílio de acessórios como canetas de nanquim, esquadros, régua “T”, entre outros.

O programa é capaz de fazer projeções em 2 e 3 dimensões, permitindo que profissionais e clientes finais consigam ver com precisão a proporção de altura, largura e profundidade de suas peças. Ainda assim, o software não substitui os conhecimentos de desenho técnico, que é essencial para que arquitetos, engenheiros, projetistas e demais profissionais trabalhem com mais clareza no programa.

O AutoCAD é utilizado para projetar casas, prédios, estruturas metálicas, peças e acessórios para a indústria automobilística, móveis, design de interiores, entre outros. O Senac em Santa Catarina possui cursos específicos sobre o programa e também utiliza o AutoCAD em qualificações como Técnico em Design de Interiores.

 

Informações protegidas

O ano de 2013 foi marcado pelo vazamento de informações confidenciais da CIA, nos Estados Unidos. Documentos que revelam a coleta de informações privadas sobre os usuários de servidores das grandes empresas de tecnologia, como Google, Microsoft e Apple, foram divulgados por um ex-funcionário da NSA (Agência de Segurança Nacional). O fato causou polêmica e levantou uma discussão sobre a segurança da informação na internet.

Cada vez mais, as organizações precisam investir em estratégias para garantir a segurança da informação – ou seja, de conteúdos sigilosos, que são de propriedade privada e para utilização com propósitos específicos. A segurança da informação é baseada em quatro itens: integridade, autenticidade, não repúdio e irretroatividade. Os sistemas criados por profissionais da área têm como objetivo manter documentos sem alterações, com comprovação de autoria, origem e data da criação.

Por conta das ameaças voltadas principalmente a empresas, como fraudes eletrônicas, espionagem, sabotagem, vandalismo, incêndios ou inundações, cresce a demanda pelo trabalho especializado em segurança da informação. A Petrobrás, maior empresa do Brasil, direciona bilhões para a área de tecnologia da informação, o que inclui proteção de informações estratégicas.

Os profissionais que desejam investir nas oportunidades de mercado na área precisam buscar por qualificação. Egressos dos cursos superiores em TI e empresários podem, por exemplo, fazer a pós-graduação em Segurança da Informação oferecida pelo Senac em Santa Catarina. No curso, o aluno desenvolverá competências para implantar normas e políticas de segurança, mapear e analisar riscos, definir estratégias, executar procedimentos de testes, entre outros.

Saiba mais sobre a carreira de Análise e Desenvolvimento de Sistemas

A especialidade de um profissional formado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas é criar sistemas de informática personalizados, adaptados à realidade do ambiente virtual de cada empresa. Entre as competências compreendidas por um analista de sistemas está o desenvolvimento de softwares que possibilitem maior aproveitamento de máquinas, ampliação da captação de dados e maior velocidade no processamento de informações. Para os leigos, pode ser difícil compreender essas competências, mas faça um exercício mental: pense em quantos sistemas informatizados você usa por dia. Celular, computador, o caixa do mercado, banco, serviços públicos e outras muitas atividades utilizam softwares criados por analistas e desenvolvedores desta área.

O mercado de atuação desse profissional é bastante amplo, podendo atuar na indústria, comércio, empresas públicas e privadas, enfim, em todos os setores que necessitem de sistemas informatizados para gerenciamento de dados. De acordo com Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo, o salário inicial deste profissional é de R$ 1.082,00. A profissão também está incluída no quadro de profissionais de informática, que, segundo o Ministério do Trabalho, têm renda média mensal de R$2.992,02 em Santa Catarina.

Por estar em contato direto com tecnologia e suas evoluções, o analista de sistemas precisa estar sempre atento às novidades do setor, até mesmo para poder identificar novos nichos de mercado e desenvolver produtos inovadores para as demandas de seus clientes. O estudante do curso de Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, que é oferecido pelo Senac em Santa Catarina, precisa ter afinidade com as ciências exatas e raciocínio lógico.