Você buscou por: gastronomia

6 tendências para conhecer e se destacar na área da gastronomia

A rotina acelerada e a preocupação com a alimentação são algumas das grandes razões que reforçam a procura do consumidor por restaurantes de qualidade em seu dia a dia. Tanto é que os brasileiros destinam, em média, ¼ da sua renda familiar para refeições feitas fora de casa, segundo o IBGE.

E para conquistar esse consumidor cada vez mais criterioso, é fundamental inovar nas possibilidades e acompanhar as tendências do setor. Neste post selecionamos seis nichos de mercado que têm ganhado força nos últimos anos e são boas apostas para você que quer seguir nesta área! Confira:

Confira as tendências da gastronomia:

  1. Opções saudáveis – A preocupação com a saúde está cada vez mais em alta. Por isso, os locais que investem na variedade de saladas e alimentos orgânicos acabam saindo na frente. Em uma refeição no meio da semana, por exemplo, você tem preferência por um prato saudável ou um fast-food reforçado com frituras e queijos? Se a sua resposta for a primeira, saiba que esse é o hábito mais procurado pelas pessoas ultimamente.
  1. Ingredientes locais – Quanto menor o caminho de um alimento até o consumidor, maior a confiança depositada na sua origem! Um legume, quando colhido no próprio bairro, consegue chegar mais fresco até o prato do cliente, intensificando seu sabor e colaborando para a economia local.
  1. Estética planejada – Já reparou na quantidade de fotos de pratos bem decorados que são compartilhados nas redes sociais? A febre digital atingiu a gastronomia e aqueles que oferecem refeições com uma aparência personalizada certamente serão divulgados pelos seus clientes. Ou seja, pense tanto na apresentação, quanto na receita do seu prato para deliciar os consumidores dos dois jeitos.
  1. Restaurante móvel – Misturando praticidade com inovação, os food trucks conseguem render bons resultados àqueles que decidem investir nesse modelo de gastronomia. Mas se engana quem pensa que conforto e alimentos sofisticados não fazem parte desse segmento. Se você já frequentou algum restaurante móvel, deve saber que a linha gourmet também está presente! Nesse caso, a interação com o público costuma ser grande até mesmo nas redes sociais, atingindo diferentes locais e oferecendo um ambiente diferente do habitual.
  1. Evitando o desperdício nas cozinhas – Assim como a preocupação em oferecer refeições orgânicas e naturais, locais que aproveitam alimentos de forma criativa certamente conseguem pontos positivos com os seus clientes. Talos de legumes, folhas e cascas podem render grandes receitas, além de mostrarem a importância de se evitar o desperdício de alimentos. Se você pretende inovar a gastronomia tradicional, que tal começar aplicando esse diferencial na sua cozinha?
  1. Alimentos artesanais – Não tem como negar que uma receita caseira e artesanal é mais atrativa, seja pelo sabor ou confiança na origem do produto. Por isso, empresas que oferecem sabores mais artesanais e com menos aditivos têm rendido grandes resultados. É o caso das massas feitas à mão, de geleias e queijos de produções pequenas e caseiras.

Você já aplica alguma dessas tendências na sua cozinha? Conte para gente sobre a sua experiência! (;

 

5 opções de séries e filmes para quem gosta de gastronomia

Não tem nada mais aconchegante que usar o tempo livre para assistir um filme ou colocar aquele seriado em dia, tem? E para aqueles que se interessam por culinária, não vão faltar opções de maratonas para essas férias. Por isso, o Senac SC escolheu 5 opções de séries e filmes para quem gosta de gastronomia. O mais difícil vai ser não pausar a programação para fazer um lanchinho!

Continue lendo

Da televisão à gastronomia: 3 receitas famosas em filmes e seriados

É sexta-feira, você chega cansado do trabalho e decide que é dia de descansar assistindo a um filme ou à maratona daquele seriado que todos os seus amigos elogiam. Poucos minutos depois, já confortável no sofá, começam a aparecer cenas de almoços, jantares e piqueniques com receitas que dão água na boca só de olhar. Nessas horas, pouco importa se estamos falando de fome ou pura gula: a vontade de ultrapassar as barreiras da tela e entrar em cena é quase incontrolável, não é?

Continue lendo

5 livros para quem se interessa por gastronomia

Pense no almoço rápido que você fez durante o expediente, ou então naquele bar regado a cervejas com os amigos… Ah, não se esqueça do jantar da semana passada que, na verdade, foi só uma desculpa para um primeiro encontro. Percebeu? Seja para se alimentar, socializar ou começar um romance, a culinária está a todo momento presente em nosso dia a dia e, muitas vezes, influencia nossa forma de viver e agir.

Não precisa ir muito a fundo para compreender que a gastronomia de um lugar está diretamente relacionada à história da região. Ela é um dos elementos que representa a identidade e a cultura de um povo. É por isso que um livro de gastronomia não é apenas um compilado de receitas para o leitor reproduzir, mas um registro histórico de como aquele prato chegou a determinado país, como foi utilizado pela sua população e de que forma mudou os rumos da história.

Ficou interessado em saber mais? Nós listamos 5 livros imperdíveis para quem, além de gostar de cozinhar, se interessa pela gastronomia ao redor do mundo:

Escrito pelo renomado chef Alain Ducasse, o livro nos traz histórias de pessoas e lugares de Nova York e dá sugestões de locais para comer, desde os mais chiques restaurantes de Manhattan até o cachorro-quente de rua no Brooklyn. A obra vai além de um guia culinário e se transforma em um retrato da cidade, do ponto de vista gastronômico, feito por alguém que entende do assunto.

Autobiográfico, conta a história de Bob Spitz, jornalista que termina um longo casamento e, após a entrega de um trabalho que levou mais de 9 anos para ser concluído, decide largar tudo e ir rumo à Europa para se dedicar a uma grande paixão: a culinária. Lá, Spitz estudou nas melhores escolas de gastronomia da Itália e da França e, já de volta, resolveu transformar a experiência em livro.

Divertida e inspiradora – que em alguns momentos até lembra Comer, Rezar e Amar -, a história mostra as diferenças culinárias nos dois países e traz algumas das melhores receitas que o autor aprendeu nesse período.

A ideia surgiu após Jen Lin-Liu deixar os EUA e se mudar para a China, a fim de se conectar com o país de seus antepassados. E qual a melhor forma para isso? A gastronomia.

Durante sua jornada, encontrou pessoas que lhe mostraram não só a culinária, mas os diferentes aspectos de uma sociedade ainda marcada por regimes autoritários.

Considerado o melhor livro de culinária chinesa pela Gourmand World Cookbook Awards de 2008, a obra é um retrato da China contemporânea e consegue levar o leitor a uma viagem pela cultura e pelos valores chineses. São 29 receitas com descrições detalhadas dos pratos ao longo das 264 páginas de leitura.

De forma divertida e engraçada, o livro faz uma análise dos avanços da humanidade a partir de seis bebidas: a cerveja, o vinho, os destilados, o café, o chá e a Coca-Cola. Capítulo por capítulo, Tom Standage descreve a evolução de cada uma delas, sua importância social para a região onde surgiram e sua influência na cultura de todo o mundo. No decorrer do livro, você descobre diversas curiosidades, como, por exemplo, a cerveja sendo uma bebida social desde os seus primórdios ou então a prévia autorização do Papa para que só então os cristãos pudessem consumir a bebida.

Bolo Battenberg, Frango à Kiev, Torta Woolton… Quem nunca se perguntou como receitas clássicas da gastronomia receberam seus nomes? Foi pensando nisso que James Winter listou 50 pratos e bebidas mundialmente reconhecidos e resolveu pesquisar suas origens. Em uma narrativa bem humorada, o livro conta as histórias e, em seguida, disponibiliza as receitas, sejam elas originais ou adaptadas. Muito conhecidos aqui no Brasil, até o acarajé e a feijoada apareceram por lá. Ficou curioso?

E você, conhece alguma outra boa história sobre gastronomia?

Quer ir fundo nos aprendizados da gastronomia? O Senac SC oferece diversos cursos livres na área, entre eles Cozinha Mexicana, Oriental e Natural. Conheça e garanta já a sua vaga!

Food bikes: mais baratas e sustentáveis, elas conquistam espaço na gastronomia de rua

Quem nunca reparou naquelas charmosas bicicletas adaptadas servindo doces que dão água na boca à primeira vista? Elas são a nova tendência na gastronomia de rua e vêm ganhando destaque nos eventos e cidades por onde passam.

Quando os food trucks surgiram, muitos cozinheiros se animaram com a possibilidade de montar seu próprio negócio por um custo menor, se comparado com o de restaurantes convencionais – estima-se que o veículo custa pelo menos R$ 50 mil, enquanto restaurantes não costumam sair por menos de R$ 500 mil. Agora, com a chegada das food bikes, o cenário ganha outras proporções, muito mais próximas da realidade: criar um esse modelo de negócio pode custar entre R$ 2 e R$ 15 mil, dependendo das adaptações necessárias.

O menor valor de investimento não é a única vantagem, outro aspecto importante é o melhor uso do espaço público. As bicicletas têm maior mobilidade, principalmente em locais de difícil acesso, como ruas estreitas. Além disso, elas são mais sustentáveis e, ao contrário dos food trucks, não prejudicam o meio ambiente com emissão de poluentes na atmosfera.

As primeiras food bikes no Brasil ganharam destaque em 2014 nas grandes metrópoles, como São Paulo e Rio de Janeiro. Mas essa realidade está mudando e já é possível encontrá-las em pequenas e médias cidades. Em Santa Catarina, a Doce menino doce, de Tubarão, nasceu a partir da ideia de um menino de 10 anos que, a fim de juntar dinheiro para estudar no Canadá, começou a vender brigadeiros com a mãe. Inicialmente, eles usavam o carro para comercializar seus doces no bairro onde moravam, até que começaram a receber encomendas de outros pontos da cidade, encarecendo a entrega. Diante do problema, a solução encontrada foi transformar o negócio em uma food bike.

Mas esses restaurantes sobre duas rodas não são opções exclusivas para quem quer começar um negócio próprio e não possui muito dinheiro para investir. Em Florianópolis, com a estratégia de se locomover pela cidade em eventos, o café Jack&Jacks e a doceria Le Petit Pot firmaram uma parceria que resultou na Le Petit Jack Food Bike. A bicicleta possui estrutura para servir comidas, cafés e chopps.

Dicas para montar a sua food bike

A bicicleta não comporta uma estrutura de cozinha, portanto, o produto comercializado deve ser algo mais simples e, de preferência, pronto, ao invés de pratos sofisticados que precisam ser preparados na hora. Refeições rápidas, como doces, salgados, bebidas e sanduíches são bons exemplos. Aí é só caprichar na escolha da bicicleta e garantir a simpatia, afinal, em que outro lugar o cliente vai ter a oportunidade de ser servido pelo próprio chef?

Se você se interessou pelo assunto e busca se aperfeiçoar na gastronomia, conheça os cursos técnicos, de graduação e de curta duração que o Senac SC oferece nessa área. Inscreva-se!

Quer empreender na gastronomia? Aposte em delivery

Sexta-feira à noite. Você sai do trabalho pensando em fazer um jantarzinho gostoso e saudável para você e seu companheiro. O cardápio? Frango na mostarda e legumes refogados. Porém, após passar duas horas preso no trânsito para chegar à academia e fazer exercício por mais uma hora e meia, tudo o que você consegue pensar é pedir uma pizza de calabresa pela internet. A cena parece familiar? Não se sinta culpado. Essa é a realidade de grande parte da geração atual.

Conciliar casa, trabalho, estudo, família, periquito e papagaio é muito difícil. Por isso, cada vez mais pessoas têm buscado alternativas para sua alimentação. Segundo uma pesquisa realizada pelo IBGE em 2010, a segunda maior despesa da família brasileira é com comida, sendo que 35% desses gastos ocorrem com alimentação fora de casa. Em 2020, a previsão é que essa porcentagem aumente para 50%, tornando o setor muito atrativo para investidores e empreendedores em geral, especialmente quando o assunto é delivery.

Além de levar mais praticidade e comodidade para o consumidor final, o serviço de entrega também pode ser bastante vantajoso para o empresário que optar por esse caminho. Com menos investimentos em infraestrutura (espaço, estacionamento, localização privilegiada), colaboradores (garçons) e decoração, o foco do negócio fica concentrado no produto final – a comida. Além disso, esse tipo de iniciativa evita o desperdício de alimentos, pois as refeições são feitas somente sob demanda.

A popularização da internet e do e-commerce colaboraram e muito para a expansão do mercado gastronômico digital. Hoje, por meio de sites e aplicativos de smartphone, os clientes podem escolher, fazer o pedido, pagar e até avaliar o serviço sem precisar se preocupar em falar diretamente com um atendente, trazendo mais comodidade e agilidade para o processo.

Ficou interessado em saber mais? Conheça alguns cases e inspire seu lado empreendedor. ;-)

China in Box

Robinson Shiba já teve muitas aventuras no ramo de restaurantes. Entre seus negócios estiveram choperias, costelarias, restaurantes de kebab, lanchonetes e até um restaurante especializado em cuscuz. Contudo, foi o China in Box que alavancou o empresário para o sucesso. Criada na década de 90, a ideia para a cadeia de restaurantes começou a partir de uma viagem para os Estados Unidos, quando Shiba trabalhou em um restaurante de comida chinesa. Lá, ele observou que os pratos eram servidos em caixinhas e, quando voltou, percebeu que havia uma boa aceitação por esse tipo de comida em restaurantes físicos e shoppings – faltava apenas o delivery. Foi a oportunidade que ele precisava para investir no negócio e se diferenciar dos demais.

Bistrot Fitness

Leonardo Karpinski é atleta de fisiculturismo e sentia a necessidade de uma alimentação mais saudável em seu dia a dia. Ele e a esposa começaram a prepara refeições com baixo teor de gordura e sódio em casa para poder levar para o trabalho durante a semana. Em pouco tempo, com o apoio dos amigos, eles começaram a fazer pratos congelados para vender. Hoje, o Bistrot Fitness é um delivery de comida saudável congelada que está presente em mais de 40 cidades do país e em 12 estados. A empresa produz mais de 50 mil pratos por mês e, desde 2013, vem crescendo cerca de 125% ao ano. Não é incrível?

Let’s Picnic

Inspirado em modelos de negócio existentes no exterior, o Let’s Picnic surgiu para levar mais comodidade e glamour para um dos costumes preferidos dos curitibanos nos fins de semana: o piquenique. Ao observar como a atividade se desenvolvia, a empresária Gabriela Alberti percebeu uma oportunidade de negócio. Inaugurado em 2015, hoje o site conta com cinco opções de cestas para a escolha do cliente e mais três em desenvolvimento – uma voltada ao público alérgico a lactose e ao glúten, outra para crianças e uma terceira para quem deseja seguir o estilo de vida fitness.

Feijoada City

Depois de tentar empreender em dois negócios sem sucesso, o empresário Normando Andrade Filho optou por investir no ramo de alimentação – mais precisamente em delivery de comida brasileira. Criada em 2013, a Feijoada City atende mais de 400 bairros de São Paulo e vem faturando R$300 mil ao ano. O sucesso é tanto que Normando deve abrir um escritório em Nova York ainda em 2016, visando levar o tempero brasileiro para o país do Tio Sam. Entre as opções oferecidas pelo restaurante, o destaque fica para o combo feijoada, torresmo, arroz, couve, farofa, bisteca, laranja e pimenta. Além disso, a empresa também conta com uma opção de baixa caloria e outra vegetariana.

GO Pizza

Sediada em Florianópolis, a GO Pizza foi criada em 2012 por Murilo Mafra Filho, empreendedor experiente na cena gastronômica local. Após reconhecer a carência de boas pizzarias delivery na cidade, o empresário decidiu investir em pizzas a pronta entrega com alta qualidade e preço baixo. O crescimento foi rápido e, com ele, nasceu o sistema de franquias. Em 2013 eram três lojas franqueadas na capital do Estado. No ano seguinte, surgiram mais sete lojas, expandindo o serviço para as cidades de Balneário Camboriú, Criciúma, Lages e Chapecó.

Como visto acima, abrir um negócio em gastronomia pode ser bastante rentável. Contudo, antes de dar esse passo importante, é preciso saber cozinhar como um chef e ter visão de negócio. Se você tem interesse em profissionalizar suas habilidades culinárias e empreendedoras, conte conosco! Conheça os nossos cursos técnicos, graduação e cursos de curta duração na área.

Senac e Florianópolis: uma parceria Cidade Unesco de Gastronomia

O Rio de Janeiro pode até deter o título de “Cidade Maravilhosa” mas, para nós catarinenses, não existe lugar mais cheio de maravilhas do que Florianópolis. A cidade, conhecida como Ilha da Magia, já recebeu diversas homenagens ao longo da sua história devido à imensidão de belezas naturais. Contudo, em 2014 foi a vez da gastronomia local receber o seu devido reconhecimento, elevando a capital do Estado para a Rede Mundial de Cidades Criativas da Unesco – um grupo seleto composto por 116 membros, em 54 países, cujo objetivo é incentivar a criatividade regional.

Floripa, como é chamada pelos íntimos, foi a primeira cidade brasileira reconhecida por sua culinária (já falamos sobre ela por aqui, lembra?). Para manter o título e estimular o desenvolvimento regional, a Unesco recomenda algumas ações para promover o desenvolvimento sustentável local, como criar um Observatório de Gastronomia, realizar um festival internacional com chefs de outras cidades da rede, desenvolver uma legislação para estimular o setor e promover um laboratório de inovação cultural.

Foco em capacitação

Segundo Anita Pires, presidente da associação FloripAmanhã, que coordena o grupo gestor do programa Florianópolis Cidade Unesco de Gastronomia, a qualificação profissional é um dos grandes pilares do projeto. “Tanto pela importância de qualificar o atendimento e toda a experiência gastronômica nos empreendimentos locais, quanto pelo potencial de geração de emprego e renda que traz esse reconhecimento”, completa Anita. Por isso, o Senac está plenamente envolvido com as ações desenvolvidas, coordenando a câmara temática de capacitação. Atualmente, o conselho realiza um estudo com as instituições de ensino que possuem cursos de gastronomia para mapear a oferta atual e, após uma análise, criar estratégias para o desenvolvimento da formação profissional na área.

Cursos voltados para o mercado

O Senac investe em iniciativas relacionadas à valorização da gastronomia regional. Anualmente, a instituição participa da Fenaostra, com aulas-show de gastronomia e, em 2015, os professores de gastronomia do Senac conduziram as oficinas do Projeto Saberes e Sabores da Cidade Unesco da Gastronomia, preparando as receitas que foram reconhecidas pela entidade internacional. As receitas de sequência de camarão, tainha recheada, risoto de frutos do mar e polvo crocante fizeram sucesso entre os participantes. Também durante o evento, os alunos do curso de cozinheiro da Faculdade de Tecnologia Senac em Florianópolis, Caio Moreno Pimentel Espíndola e Davi Felipe Ross Cavalcante, conquistaram a segunda colocação na categoria acadêmica do Concurso Cultural Gastronômico Fenaostra Creative City, com orientação do professor Arnaldo Toro.

Em diversos cursos do Senac na área de gastronomia, como o curso superior de Tecnologia em Gastronomia, Técnico em Cozinha e Cozinheiro, os alunos aprendem sobre culinária clássica da cozinha brasileira e regional. Além disso, a instituição oferece diversos workshops, como Cozinha Regional – “Manezinha”, que aborda a riqueza da gastronomia típica de Florianópolis. Ficou interessado? Clique no banner abaixo e inscreva-se.

 

 

 

Formação superior em gastronomia desenvolve competências de produção, gestão e serviços

Se tem algo com o poder de reunir as pessoas e fazê-las curtir um bom momento de confraternização, é a comida. Mais do que uma necessidade básica, a gastronomia pode proporcionar experiências marcantes e fazer parte de mudanças de vida. Nos bastidores desse universo complexo, são necessários profissionais com gosto por servir e agradar as pessoas, atendendo a diferentes paladares por meio de técnicas apuradas e conhecimento nutricional.

O dia a dia de uma cozinha profissional envolve exigências em detalhes e ritmo acelerado. Por isso, quem deseja atuar na área precisa estar habilitado para trabalhar de acordo com as demandas do mercado na área, que disponibiliza ampla oportunidades de trabalho. O curso superior de Tecnologia em Gastronomia, oferecido pelo Senac em Santa Catarina, qualifica o profissional a partir de uma visão abrangente dos processos gastronômicos, o que inclui técnicas de produção, gestão, pesquisa e serviços de restaurante.

Durante o curso, que tem duração de dois anos e meio, o aluno desenvolve competências para executar e controlar produções gastronômicas, conforme normas de higiene e segurança alimentar; planejar e elaborar diferentes tipos de cardápios, observando características como sazonalidade e regionalidade; trabalhar em equipe e coordenar atividades; demonstrar visão sistêmica de processos que envolvem os segmentos de gastronomia.

Depois de formado, o Tecnólogo em Gastronomia pode se especializar em uma gastronomia específica, abrir o próprio negócio ou buscar inserção em estabelecimentos que necessitam de serviços na área, como restaurantes bares, hotéis, bufês, consultorias, eventos, hospitais, entre outros. A carreira para se tornar um chef de cozinha é longa, com desafios e aprendizado. Mas, com muita dedicação e prazer pela cozinha, é só uma questão de tempo para ter o nome como referência em gastronomia.

Os interessados na área podem fazer sua inscrição no vestibular Senac 2016 através deste link.  e optar por fazer uma redação ou concorrer pela nota na redação do ENEM a uma vaga no curso superior de Tecnologia em Gastronomia na Faculdade Senac em Blumenau.

Confira também:

Gastronomia online: 4 canais para aprender a cozinhar
Vestibular 2016: Venha para a Faculdade Senac

Gastronomia online: 4 canais para aprender a cozinhar

Quem aí gosta de uma boa comida? Aproveitar as delícias gastronômicas é um dos prazeres da vida. Infelizmente, nem todos possuem os conhecimentos para fazer pratos saborosos. Mas, graças a internet, os canais de culinária se popularizaram e basta uma pesquisa rápida para encontrar em vídeo a receita do que se deseja produzir.

Com uma infinidade de tutorias de pratos simples ou refinados, o YouTube é uma ótima opção para os estudos gastronômicos. Para demonstrar um pouco dessa variedade o Senac fez uma seleção de 4 canais que podem lhe ajudar na hora de preparar um bom prato:

Cozinha para 2

Quem não sabe cozinhar irá se encontrar aqui. Com receitas práticas, o canal ensina a fazer vários pratos sem complicação. Acompanhe os vídeos da Carol Thomé e Ducas Mendes.

Ana Maria Brógui

Mais de 86 milhões de visualizações e passando de 1 milhão e 300 mill inscrições é um dos maiores canais de culinária do Brasil. Acompanhe Caio Novaes mostrando como é simples preparar uma boa receita.

Danielle Noce

Siga as dicas dessa chef confeiteira formada pela École Lenôtre e fundadora do maior site de confeitaria do Brasil. São diversas receitas de salgados, bolos, drinks e muito mais.

Vai Comer o Quê!

Apenas o prazer em cozinhar com inspiração na clássica culinária francesa, italiana, americana e brasileira. Assista à Francielle Nogueira, publicitária, compartilhando sua paixão por culinária diretamente de Michigan, EUA.

Ficou motivado e quer a gastronomia como profissão? Faça o curso superior em Gastronomia do Senac e garanta seu futuro. ;-)