Tecnologia

9 Easter eggs da Google que você precisa conhecer

Sabe o que são easter eggs (ou “ovos de páscoa” em português)? Calma! Você não voltou no tempo e acordou no domingo de páscoa. Hoje continua sendo o mês de maio e, muito provavelmente, todos seus doces já acabaram – infelizmente.

Os ovos que nós estamos falando hoje não têm nada a ver com chocolate, mas sim com segredos escondidos em programas, sites ou jogos eletrônicos. São pequenos códigos ocultos criados pelos programadores e desenvolvedores para desafiar a criatividade dos usuários, gerando uma verdadeira caça ao tesouro virtual. A Google, por exemplo, é uma grande adepta da brincadeira, porém para participar é necessário conhecer os comandos de ativação. Ou então ter a sorte de cair em um deles sem querer. Quer saber mais? Confira nossa lista, descubra alguns dos melhores easter eggs escondidos nos produtos da empresa e divirta-se!

Jogos… jogos em todos os lugares!

1. Google Pacman

Abra a busca do Google e pesquise “google pacman” (sem as aspas). Clique no doodle e aproveite. Agora é só testar suas habilidades em um dos jogos mais clássicos do mundo.

Obs: Cuidado com os fantasminhas! Quem avisa, amigo é. :-)

 2. Atari Breakout

Criado para homenagear um antigo jogo de arcade desenvolvido pela Atari em 76, esse easter egg funciona somente na aba “Imagens” do buscador. Abra a página, busque “atari breakout” e divirta-se!

3. Simulador de voo do Google Earth

Diferentemente dos acima, esse easter egg é um pouco mais complexo de acessar. Para entrar na brincadeira, baixe o Google Earth no seu computador e siga as instruções mostradas no vídeo abaixo. Assim você pode sobrevoar sua cidade natal ou aquele país que você quer conhecer faz tempo sem precisar sair de casa.

Será que o Google enlouqueceu?

4. Do a barrel roll

Fãs da Nintendo conhecem a expressão muito bem. Ela é uma referência ao game Star Fox 64, um clássico importante para a história da empresa. No jogo, o personagem principal é uma raposa que faz um movimento de 360º com sua nave espacial para fugir dos inimigos – ação repetida pelo Google quando você digita o nome da manobra no campo de busca.

5. A resposta para a vida

Você conhece o livro “O Guia do Mochileiro das Galáxias”? Os colaboradores da Google sim. Muitos deles são fãs da saga e, por isso, inseriram um easter egg para homenageá-la. Ao digitar, sem as aspas, “answer to life, the universe and everything” (em tradução livre: “resposta para a vida, o universo e tudo mais”), vai encontrar a mesma resposta encontrada no livro: o número 42.

6. A força da gravidade

Tudo o que existe na Terra está sujeito à gravidade, não é mesmo? Inclusive o Google. Abra a página do buscador, digite “google gravity” e clique em “Estou com sorte”. No início parece que está tudo igual, mas é só mexer o mouse que os elementos começam a cair.

E tem o YouTube também

7. Use a Força, Luke!

É um fã de Star Wars? Esse easter egg é para você. Digite na busca do Youtube a frase “Use the Force, Luke” e veja o resultado. Os elementos do site começarão a aumentar e diminuir de tamanho. Você pode controlá-los por meio do poder do seu mouse, da mesma forma como seria se estivesse utilizando a Força.

8. Doge meme

Se você tem Facebook, WhatsApp e utiliza a internet com frequência, é bem provável que conheça a febre dos memes. Entre os mais populares está o cachorro Doge, a fotografia de um cãozinho raça Shiba Inu acompanhado de textos coloridos em Comic Sans. Para homenagear o cachorrinho, o Youtube criou um easter egg que troca todas as fontes do portal pela famigerada Comics. Faça o teste: digite “doge meme” e veja o que acontece.

9. Webdriver Torso

Em 2014, a internet descobriu um canal do YouTube chamado Webdriver Torso, dono de mais de 80 mil vídeos com o mesmo conteúdo: duas formas geométricas com as cores azul e vermelha. Na época, os internautas criaram diversas teorias da conspiração para explicar o mistério – mensagens criptografadas por espiões franceses, códigos utilizados por extraterrestres que estariam vivendo na Terra e até um enigma desenvolvido pelo FBI para captar novos talentos para a organização. Porém, na realidade, os vídeos eram da própria Google, que utilizava o canal para fazer testes de conexão e upload. Para  continuar a brincadeira, a empresa criou um easter egg. Quer conferir? Abra o YouTube e digite a frase. A busca ficará toda nas cores do canal.

E você? Conhecia todos os segredos da nossa lista? Sabe de algum easter egg interessante que não esteja nela? Comente abaixo.

Conheça também a nossa graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Quem sabe você também poderá criar seus próprios easter eggs no futuro. Acesse o link e inscreva-se!

5 dicas para aproveitar a internet com segurança

Desde que você era pequeno a sua mãe dizia: “segurança nunca é demais”. Com essa preocupação na cabeça, certamente você aprendeu a tomar cuidado com algumas atitudes no seu dia a dia. Evitar contar dinheiro em público, nunca abrir a porta de casa para estranhos e sempre optar por andar nas áreas mais iluminadas da rua, por exemplo, são apenas algumas das precauções tomadas todos os dias de forma quase automática, mas que claramente ajudam a nos manter seguros quanto a situações indesejadas.

Em um mundo cada vez mais integrado e digitalizado, muitas vezes a ameaça não está necessariamente lá fora. Ela pode estar há apenas alguns centímetros de distância, no seu tablet, smartphone ou tela de computador. Quem não conhece alguém que teve o seu e-mail ou conta das redes sociais “hackeada” alguma vez na vida? Histórias desse tipo se tornaram bastante comuns desde a popularização da internet, mas sentimos dizer que dificilmente elas têm alguma conexão com um gênio do mal da informática. Muitas vezes essas invasões de privacidade ocorrem por descuido e, por isso, nós decidimos criar algumas dicas bacanas para deixá-lo mais seguro na world wide web. Ficou interessado? Confira!

1. Clicar ou não clicar, eis a questão

Se você recebeu um link por e-mail ou mensagem privada (no Facebook Messenger, Hangout, Whatsapp, etc.) de alguém que você não conhece, não clique. Lembra quando seus pais diziam para não confiar em desconhecidos? Na internet essa lição também é válida. Por isso, não importa se o link leva para uma notícia bombástica ou para uma simples piadinha inofensiva, sempre desconfie. Se o assunto realmente é do seu interesse, pesquise-o diretamente no Google – ele sabe de tudo.

2. Os perigos das redes sociais

Há alguns anos havia uma piada que dizia: “se não está no Google, não existe”. Hoje essa frase pode ser atualizada para “se você não tem um perfil no Facebook, você não existe”. Brincadeiras à parte, somente a rede social de Zuckerberg possui mais de 1 bilhão de usuários. Somada às demais, o número de pessoas conectadas todos os dias é surpreendente. Por isso, nada mais natural do que essas plataformas serem alvo de algum tipo de golpe, não é mesmo? Fique atento: tome cuidado com aplicativos de sites externos – eles podem colher dados pessoais importantes sem a sua autorização.

Além disso, evite se expor em excesso. Será que todo mundo precisa saber cada passo que você dá durante o dia? Proteja as suas informações para que estranhos não consigam perceber a sua rotina e atualize as suas configurações de privacidade.

3. Conheça o poder da janela anônima

Toda vez que você abre um site são armazenadas diversas informações de acesso no seu computador – inclusive o seu login de e-mail e redes sociais. Por isso, se você está fora de casa e precisa usar uma máquina pública, acesse o modo anônimo do seu navegador. Assim, você não precisa se preocupar se deixou Facebook ou Gmail abertos. No momento em que a janela é fechada todos os dados são deletados automaticamente. Não é incrível?

4. Escolha uma senha inteligente

Senhas são o ponto fraco de todo mundo – no mundo todo. Em 2015, a consultoria SplashData divulgou o resultado de uma pesquisa na qual foram eleitas as 25 piores senhas da internet. Entre as colocadas estão: 123456, password (senha em inglês), qwerty (primeira sequência de letras do teclado abaixo das teclas numéricas), abc123 e starwars. Portanto, se você utiliza alguma dessas combinações nas suas palavras-chave sugerimos que mude imediatamente.

Para criar uma senha forte, mas fácil de memorizar, existem algumas orientações interessantes: procure criar uma senha com – no mínimo – oito caracteres, misturando números, letras e símbolos. Misturar duas palavras também pode ser útil, por exemplo: ESTUDO + SENAC = ESTUNAC.

5. Atualize sempre!

Sim. Nós sabemos que atualizar softwares, navegadores e sistemas operacionais pode ser um pouco chato. Pior ainda quando as novas versões estão cheias de problemas como os temíveis bugs, certo? Contudo, precisamos insistir. Essa é a única forma de garantir que o seu computador receba os últimos pacotes de dados que as empresas oferecem – inclusive os serviços de segurança. Vírus e malwares de computador estão sempre em busca de brechas nos sistemas e, por isso, as empresas precisam emitir atualizações constantes para corrigir possíveis falhas e tornar a sua experiência de usuário a melhor e mais segura possível.

Está convencido? Assim como na vida real, a vida cibernética pode se tornar muito mais segura se você tomar algumas atitudes. Caso você conheça alguma dica que não divulgamos, comente abaixo. Adoraríamos saber o que você faz para estar mais protegido na web. ;-)

Por falar em segurança na internet, você sabia que o Senac possui um curso de especialização em Segurança da Informação? Se você se interessa por compreender, analisar e mapear riscos e vulnerabilidades no mundo digital, acesse o link e inscreva-se!

As 9 linguagens de programação mais utilizadas pelo mercado

Steve Jobs, certa vez, afirmou: “Todo mundo deveria aprender a programar um computador… porque isso ensina a pensar”. Polêmicas à parte, é preciso aceitar que o (ainda mais polêmico) fundador da Apple tinha a sua razão.

O fato é que a programação influenciou a formação do mundo como conhecemos hoje e, para o futuro, as coisas parecem continuar a seguir este caminho. Se agora já parece que tudo o que fazemos tem algum tipo de código envolvido, daqui a 5 ou 10 anos essa sensação deve se tornar cada vez mais evidente.

Por isso, se você tem interesse em aprender uma linguagem de programação, mas não sabe muito bem por qual delas deveria optar, não se preocupe. Para facilitar o seu processo de decisão, criamos uma lista com as principais características das linguagens mais importantes para o mercado atual. Confira!

Criada na década de 90 pela Sun Macrosystems, empresa que foi adquirida pela Oracle Corporation em 2009, Java é uma das linguagens de programação mais usadas no mundo. Seu uso é bastante abrangente, desenvolvendo desde softwares empresariais e sistemas web até aplicativos para tablets e smartphones da plataforma Android

Você sabia que quase todos os sites possuem algum código em Javascript? Para entender o porquê, imagine uma casa. O tijolo e o cimento dão a estrutura, a tinta deixa o aspecto visual mais agradável e a energia elétrica faz as coisas funcionarem lá dentro. Nas páginas da web acontece a mesma coisa: enquanto o HTML as estruturam e o CSS as deixam mais “bonitas”, mas é o Javascript que faz tudo funcionar. Seu objetivo é executar scripts do lado do cliente, sem ter a necessidade de passar pela interpretação do servidor.

Outra linguagem bastante popular. É utilizada principalmente para desenvolver sites dinâmicos e softwares, especialmente na parte back-end. É também a base para a construção de páginas como Facebook e WordPress – então, se você planeja se tornar um programador web, essa é uma das linguagens a dominar.

Uma linguagem rápida e poderosa criada na década de 70, cuja aplicação se dá principalmente na formação de softwares para sistemas embarcados. Diferentemente de outras linguagens mais antigas, o C continua bastante ativo no mercado – especialmente no desenvolvimento de sistemas operacionais, aplicativos e games.

Por funcionar como base para outras linguagens, a sua aprendizagem é bastante recomendada para programadores iniciantes – fica a dica! :-)

Inicialmente projetada para complementar a linguagem acima, C++ ganhou adeptos o suficiente para se emancipar, tornando-se uma das melhores linguagens de programação para desenvolvimento de softwares para desktop e jogos que exigem bastante do hardware.

Em dezembro de 2014 foi lançada uma nova versão, chamada informalmente de C++14.

É uma linguagem desenvolvida pela Microsoft que combina características de C e C++. Sua aplicação vai desde serviços e plataformas web a dispositivos móveis que utilizam a plataforma Windows Phone. Portanto, se você pretende desenvolver alguma coisa para Windows 7, 8, 10, etc. vale a pena aprender C#!

Essa é a linguagem principal para a plataforma da Apple, como iOS e OS X. Possui uma programação flexiva orientada a objeto que usa transmissão de mensagens no estilo Smaltalk e C. Com essa linguagem, é possível desenvolver aplicativos para iPhone, o que tem gerado uma grande demanda por profissionais especializados.

Linguagem dinâmica utilizada em sites e aplicativos para sistemas móveis. Foi projetada para ser simples e fácil de programar, portanto é considerada bastante amigável para iniciantes. Desenvolvida no Japão em 1995, sua popularidade aumentou bastante por meio do framework Ruby on Rails, elevando-a para a 11ª posição na lista de linguagens de programação mais populares do mundo, segundo o Índice Tiobe.

Outra linguagem excelente para quem está aprendendo a programar. Utilizada para desenvolver sites e aplicativos para celulares e tablets, é uma linguagem rápida e versátil que promove a integração de sistemas de forma eficaz. Google, Youtube, Pinterest e Netflix são apenas algumas das empresas que utilizam Phyton para desenvolver tarefas críticas do seu dia a dia – nada mal, não é?

Sabemos que a variedade de linguagens pode gerar confusão. Mas, antes de sair desesperado atrás de mais informações, saiba que aprender uma linguagem não é a coisa mais importante para quem está começando. Antes de qualquer coisa, você precisa compreender a lógica por trás da programação, só assim você estará apto a dominar qualquer das opções acima sem grandes dificuldades. Quer uma mãozinha? Conheça os cursos da área de Informação e Comunicação do Senac e adquira o conhecimento necessário para se tornar um programador profissional. No nosso portal você pode fazer uma busca específica por essa área, indicando a cidade em que deseja estudar. :-)

Lugar de mulher é… na programação

Vamos fazer um teste rápido?
Quem você acha que consome mais tecnologia: o homem ou a mulher?

Se você escolheu a segunda opção, parabéns – você sabe mais sobre o comportamento de consumo feminino do que muita gente por aí. De acordo com uma pesquisa realizada pela rede varejista americana Walmart, 63% das compras de produtos como notebooks, celulares, PCs e respectivos acessórios são realizadas por mulheres.

Quer saber outra curiosidade interessante sobre tecnologia e o público feminino? A primeira pessoa a programar para um computador foi uma mulher. O seu nome era Ada Lovelace, uma matemática e escritora britânica nascida em 1815. Contrariando as expectativas de seu pai, o poeta inglês Lord Byron, cujas crenças afirmavam que “as mulheres deveriam se ocupar com os afazeres domésticos”, Ada escreveu o primeiro algoritmo a ser processado por uma máquina, entrando para a história.

Contudo, apesar dessa ligação histórica entre a mulher e o início da Tecnologia da Informação, a participação feminina na área ainda é bastante limitada. Hoje, segundo pesquisas, as mulheres representam apenas 20% do total de trabalhadores do segmento e nas salas de aula dos cursos de Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Engenharia da Computação, elas geralmente são a minoria. Mesmo aqui, em Santa Catarina – estado cuja capital é considerada o “Vale do Silício brasileiro” – a tendência permanece a mesma: apenas 24,3% do empreendedorismo tecnológico é representado por mulheres.

Mas nem tudo está perdido. Se você é mulher e deseja aprender a programar ou conhece alguma com esse sonho, saiba que já existem diversas iniciativas que visam incentivar uma mudança cultural significativa neste mercado, como o Technovation Challenge, a Bolsa Toptal para Mulheres Desenvolvedoras e o grupo Anitas.

Conheça um pouco mais sobre cada uma delas abaixo.

1. Technovation Challenge

Fonte: Technovation Challenge Brasil / Reprodução

Um programa global de empreendedorismo e tecnologia voltado para o público feminino. São criados times de meninas com idade de 10 a 18 anos que, junto aos seus mentores, desenvolvem aplicativos para solucionar problemas sociais.

Em 2015, a iniciativa impactou mais de 2.000 meninas em 21 estados brasileiros.

>> Conheça: http://www.technovationchallenge.org/brasil

2. Bolsa Toptal para Mulheres Desenvolvedoras

Iniciativa que busca capacitar e apoiar mulheres que desejam se tornar engenheiras de software profissionais. As mulheres selecionadas receberão uma bolsa de estudos no valor de US$ 5.000 (o equivalente a cerca de R$ 18.500), cursos semanais de capacitação e o acompanhamento de um engenheiro de software sênior da empresa. O objetivo é auxiliar as vencedoras a alcançarem os seus objetivos profissionais com mais facilidade, equilibrando o mercado de trabalho tecnológico como um todo.

>> Conheça: http://www.toptal.com/press-center/toptal-scholarships-for-female-developers

3. Anitas

Foto: Marco Favero / Agência RBS

Localizado em Florianópolis, Anitas é um grupo de mulheres engajadas no empoderamento feminino na área de tecnologia e empreendedorismo. Com foco em contribuir para a igualdade de gênero nas oportunidades profissionais relacionadas ao ramo da ciência da computação, a iniciativa busca fornecer um espaço seguro para mulheres compartilharem conhecimentos, experiências, dúvidas e ideias por meio de workshops, cursos e palestras.

>> Conheça: http://anitas.com.br/

Seja no mundo da tecnologia ou não, a verdade é que as mulheres podem fazer qualquer coisa que elas quiserem. Se você concorda e tem uma boa história de superação para compartilhar com a gente, escreva nos comentários! ;-)

Setor de tecnologia da informação é um dos mais promissores

As profissões ligadas a tecnologia da informação são bastante promissoras, em especial para aqueles candidatos que prezam por qualificação. De acordo com o Ministério do Trabalho – RAIS, só em 2014 as contratações cresceram 10% em Santa Catarina, totalizando mais de 18 mil empregos formais. A média salarial dos profissionais é de R$4.654,79, podendo um gerente de tecnologia da informação ganhar R$6.368,67.

De acordo com o Censo da Educação Superior, o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas apresentou evolução no número de matrículas entre os anos de 2011 e 2013. Neste último ano, foram 1.514 matrículas. Dados do site Empresômetro apontam que existem mais de 2,3 mil empresas do segmento da tecnologia da informação em SC.

Buscar qualificação de forma continuada é um dos diferenciais para os profissionais que pretendem atuar neste setor. O Senac é uma das instituições de ensino profissionalizante que oferece cursos na área de tecnologia da informação, tendo para o nível de superior o tecnólogos em Análise e Desenvolvimento de Sistemas.

Esse profissional é responsável pela criação de sistemas de informática personalizados, adaptados a realidade do ambiente virtual da cada empresa. Entre as competências ele estão o desenvolvimento de softwares que possibilitem maior aproveitamento de máquinas, ampliação da captação de dados e maior velocidade no processamento das informações. Esses sistemas informatizados fazem parte do nosso cotidiano cada vez que usamos o celular, computador, caixa de mercado, banco, serviços público e muitas outras atividades.

O mercado de trabalho é amplo, podendo este profissional atuar na indústria, comércio, empresas públicas e privadas, ou seja, em todos os setores que necessitam sistemas informatizados para o gerenciamento de seus dados. Por estar em contato constante com tecnologia e suas soluções, o Analista de Sistemas precisa estar atendo as novidades do setor, bem como identificar novos nichos de mercado e desenvolver produtos inovadores.

As inscrições para o Vestibular 2016/1 do Senac já estão abertas e podem ser feitas neste link. Ao longo do período do vestibular, são divulgadas listagens periódicas dos aprovados que terão algumas facilidades na matrícula. O Senac oferece 20% para comerciários, financiamento próprio e bolsa de iniciação científica, além da possibilidade de volta pelo Artigo 170. A forma de ingresso é por meio de redação ou nota da redação do ENEM.

Os cursos superiores de tecnologia ofertados pelo Senac formam profissionais habilitados para atender as demandas do mercado de trabalho. Os tecnólogos são direcionados para uma especialidade, com conteúdo aprofundado em áreas específicas. Por essa razão, tem duração de dois a três anos, com uma metodologia que alia teoria e prática por meio de atividades que simulam situações do dia a dia profissional, além do estudo de cases. No Senac, o alunos atendem a relação entre as disciplinas a partir de trabalhos interdisciplinares e têm a oportunidade de desenvolver um projeto final de curso com empresas reais.

4 dicas preciosas para escrever bem

Toda profissão tem suas particularidades, mas ser capaz de se comunicar é uma necessidade na maioria delas. Logo, escrever bem é importante para ter a garantia de uma comunicação positiva.

Reflita, quantos erros ou conflitos você já presenciou devido a mensagens ou textos mal escritos? A interpretação do que escrevemos muitas vezes é feita de maneira equivocada. Isso causa transtornos e reforça a importância de dominar o texto.

Confira também como desenvolver sua oratória.

A troca de mensagens aumenta quanto mais conectados na rede estamos. Por isso, o Senac preparou 4 dicas preciosas para ajudar a desenvolver sua escrita:

1.Frases curtas

Quando precisar escrever um texto, e-mail ou mensagem seja dinâmico. Para isso utilize frases e textos curtos, assim o leitor sente uma ritmo mais agradável na leitura. O ganho estará na facilidade de compreensão e maior probabilidade que ele siga até o fim do texto. Quando temos um bloco de texto com frases longas a  chance do interesse ser perdido gradativamente é maior. Uma boa prática para escrever bem é limitar seus parágrafos em até 5 linhas.

2. Peça ajuda

Você pode ser um especialista, mas algumas coisas sempre podem passar. Considere a ajuda de amigos e colegas. Os erros serão encontrados mais facilmente e você terá um feedback de qual mensagem o texto está passando. Com as devidas sugestões e ajustes o resultado será melhor.

3. Menos é mais

O objetivo da mensagem é ser compreendida, assim, quanto mais comuns as palavras usadas, mais simples e compreensível para quem lê o texto. Usar termos complexos e pouco conhecidos só prejudicará o entendimento e diminuirá seu público.

4. Não fique com dúvidas

A internet está aí! Com uma infinidade de sites e referências para escrever bem. Então, quando surgir aquela dúvida, procure a respeito. Não fique com preguiça e acabe por escrever errado. Aproveite a rede para contribuir com seu aprendizado.

A maior dica que você pode seguir é: leia muito. Todo tipo de material, com isso você irá criar repertório de estilo de texto e de palavras. Essas dicas são úteis para todos aqueles que estão nos cursos superiores do Senac.

Siga essas dicas e escreva bem em qualquer profissão.

Conheça o HoloLens: tecnologia em prol da educação

A tecnologia constantemente surpreende o usuário com novidades. Na educação, a imersividade e interação proporcionadas pelas ferramentas digitais permitem uma maneira inovadora de transmitir o conhecimento. Esse é o caso do óculos HoloLens, anunciado pela Microsoft em janeiro.

O conceito de realidade aumentada é o que sustenta o dispositivo, ou seja, ao invés do bloqueio total da visão com uma tela, acrescentam-se elementos ao mundo real com o auxílio de um display transparente. Pode parecer um pouco confuso, mas basta assistir ao equipamento em funcionamento para identificar as possibilidades:

Impressionante, certo? O HoloLens será capaz de tornar, não apenas o entretenimento mais imersivo, como também o aprendizado. Imagine como seria estudar anatomia do corpo humano, por exemplo, visualizar os músculos, ossos e todos os sistemas em detalhes. Isso já é possível e você pode conferir o funcionamento do equipamento dando uma amostra de seu poder e das possibilidades para a construção do conhecimento:

Com o amadurecimento desse segmento novos desenvolvedores serão atraídos para utilizar essa promissora tecnologia e com isso muitas soluções podem surgir. Considere o potencial para as áreas da saúde, como o Curso Técnico de Enfermagem do Senac, e visualize o quanto esse dispositivo vestível poderia contribuir na formação do profissional em um ambiente de baixo risco.

Empolgado? Então compartilhe essa nova perspectiva! ;-)

Livro ou e-reader: qual deles leva a melhor?

Quem não gosta de um bom livro? Eles são fontes de ensino, inspiração e diversão, sempre úteis para transmitir a história do homem. Mas, com o passar das gerações, seu formato sofreu diversas mudanças. Dos textos manuscritos aos livros impressos, avançamos até os formatos digitais, dando origem aos e-books.

Há quem encare o formato digital e a leitura com os e-readers como o próximo passo da evolução dos livros tradicionais. Contudo, essa perspectiva encontra resistência e seus defensores possuem uma forte argumentação. O Senac quer participar da discussão e para isso mostra as vantagens de ambos os lados, reforçando o espaço das duas abordagens.

Vantagens dos livros impressos

  • As sensações específicas que apenas os livros transmitem, como o toque e o cheiro que vem ao abrir e folhear as páginas. O aroma de um livro novo é um verdadeiro perfume;
  • O convite sempre presente a leitura ao ver um livro sobre a mesa;
  • Desfrutar um momento totalmente analógico, desconectando das tecnologias;
  • Considerados melhores para a concentração;
  • Ideais e especiais para dar de presente;
  • Não necessitam de recarga ou tomada. Viajar com eles é certeza de sempre estar em boa companhia;
  • Ótima opção para deixar os ambientes mais agradáveis, bonitos e convidativos;
  • Você pode abrir um livro em qualquer lugar e se sentir seguro.

Vantagens dos e-readers

  • Muito conteúdo gratuito na rede;
  • Biblioteca digital onde todos os seus livros ficam em um único lugar e espaço;
  • Acesso instantâneo seja na compra ou no download de arquivos;
  • Mobilidade e menor peso;
  • Modelos de leitores para todos os gostos e estilos – Kindle na categoria e-redears, tablets como o Ipad cumprem também essa função e até mesmo alguns modelos de smartphones;
  • Livros internacionais e aprofundamento em línguas estrangeiras graças aos dicionários que acompanham;
  • Facilidade de marcar a página, destacar e comentar partes do texto;
  • Opções de customização: tamanho e tipo de fonte, espaçamento entre linhas, cor de fonte e fundo;
  • Textos com hiperlinks levando para outros materiais;
  • Modelos com telas que imitam o papel e não tem iluminação como o Kindle (para aqueles que reclamam do brilho da tela).

A questão que fica é identificar o tipo de experiência que você quer ter na leitura. Assim, analise os diferenciais de cada formato e veja quais deles se adequam aos seus desejos e anseios. Afinal o importante é nunca parar de ler, mantendo a mente ativa e abastecida com novas ideias.

Conta pra gente qual formato você prefere? Até a próxima ;-)

Saiba como manter uma boa reputação na internet

Postar uma foto no Instagram, compartilhar um vídeo no Facebook ou publicar uma frase no Twitter. Todas são ações simples que já fazem parte do comportamento de muitas pessoas. Mas essas atitudes sempre repercutem de alguma forma e a internet torna-se um grande mosaico da nossa personalidade.

Uma vez na rede, nossas informações podem nos favorecer ou prejudicar, atingindo o campo profissional e influenciando profundamente a carreira. Para perceber o quão fácil é o acesso à informação, basta navegar nos perfis de alguns amigos nas redes sociais que você irá conseguir identificar muitos de seus hábitos, posicionamentos e gostos sem muita dificuldade.

O impacto no trabalho começa na seleção do profissional, momento no qual os recrutadores costumam analisar não apenas o currículo ou a entrevista. Utilizam também as redes sociais como ferramentas para obter a maior quantidade de informações a respeito do candidato. Logo, imagine um funcionário no cenário digital, fazendo reclamações do trabalho, manifestando opiniões radicais ou até mesmo expressando-se com linguajar impróprio. Essas posturas podem repercutir negativamente na imagem pessoal e diminuir signitivamente as oportunidades de trabalho.

Por isso, fique atento e avalie que tipo de informação disponibilizar na rede. Pondere quanto aos vídeos, textos, fotos, mensagens ou qualquer compartilhamento feito. Lembre que você é a sua marca e analise se a imagem transmitida é efetivamente a que você almeja passar. Afinal, o ambiente digital e o físico não são planos separados, eles coexistem e um influencia fortemente o outro. Então procure fazer postagens construtivas que mostrem seu melhor e evite tornar seu Facebook um mural de lamentações. Pense sempre no lado bom e ruim de cada postagem, afinal um erro é o suficiente para ser lembrado de uma maneira equivocada.

Essa situação ocorre também nas empresas que, cada vez mais, estão presentes nas redes. Assim, surge mais um ponto de atenção para os empreendedores, pois qualquer deslize de gerenciamento pode trazer graves problemas a uma marca próspera. Não são poucos os casos em que uma empresa envolve-se em polêmicas na internet devido a postagens mal planejadas. Considere que uma foto ou um comentário podem ser interpretados de várias formas. Deste modo, os empregadores, devem procurar profissionais preparados para esses ambientes,minimizando o risco e aumentando os resultados positivos.

Caso você se interesse pelo assunto, uma boa forma de cuidar da reputação online e aprender a lidar com as redes sociais de maneira profissional é fazendo a Pós-Graduação de Gestão da Comunicação em Mídias Digitais do Senac.

Concorda que o cuidado com a reputação online é importante? Este é um bom assunto para compartilhar em suas redes socias. ;-)

Startup, você sabe o que é?

Segundo matéria publicada na Revista Exame, o conceito de startup começou durante a época que chamamos de bolha da Internet, entre 1996 e 2001. Apesar de usado nos EUA há várias décadas, só na bolha ponto-com o termo “startup” começou a ser usado no Brasil. Significava um grupo de pessoas trabalhando com uma ideia diferente que, aparentemente, poderia fazer dinheiro. Além disso, “startup” sempre foi sinônimo de iniciar uma empresa e colocá-la em funcionamento.
Muitas pessoas dizem que qualquer pequena empresa em seu período inicial pode ser considerada uma startup. Outros defendem que uma startup é uma empresa com custos de manutenção muito baixos, mas que consegue crescer rapidamente e gerar lucros cada vez maiores. Mas há uma definição mais atual, que parece satisfazer a diversos especialistas e investidores: uma startup é um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza.

Quando se torna escalável, a startup deixa de existir e dá lugar a uma empresa altamente lucrativa. Caso contrário, ela precisa se reinventar – ou enfrenta a ameaça de morrer prematuramente.

Fonte: http://exame.abril.com.br/pme/noticias/o-que-e uma-startup

Para que sua ideia tenha chances de gerar muitos frutos, nos dias 22, 23 e 24, a Faculdade Senac Florianópolis receberá o Startup Weekend Education. Evento busca reunir webdesigners, programadores, profissionais de marketing, de gestão e estudantes para criarem novas startups visando inovação na área de Educação, em apenas 54 horas. Os participantes receberão ajuda de mentores e farão apresentações para investidores convidados. Inscreva-se no link: http://senac.sc/1hd9iw

 

Saiba o poder do offline no marketing viral

A era digital deu voz e vez a todos e, com isso, somos sobrecarregados com notícias, propagandas e entretenimento em geral. Nesse mar de informação é  cada vez mais difícil de ganhar destaque.

Afinal, existe uma forma de fazer isso com facilidade? Muitos elementos contribuem para divulgar ideias, produtos ou serviços. Logo, o caminho até  o alvo ainda apresenta mistérios e depende de fatores indefinidos. Vejamos ideias simples, como o sucesso dos animais nas redes sociais cada vez mais virando negócios de maneira espontânea, enquanto outros tentam sem resultados.

O Senac acompanha o mercado, observa as principais tendências do que consegue contagiar e se fixar na cabeça dos clientes. Claro que os primeiros passos devem ser a preocupação com a qualidade, preço e propaganda. Contudo, apenas isso não será o suficiente para fazer a mágica e se espalhar pela rede.

O autor Jonah Berger, no livro Contágio: Por que as coisas pegam, apresenta informações valiosas, mostrando uma direção. Tenha em mente que sempre haverão ideias melhores. Mas, devemos investir em transmitir histórias significantes pra quem nos cerca e com isso aumentar as chances de viralização.

A cada dia compartilhamos mais de 16 mil palavras e no meio disso ocorrem cem milhões de conversas sobre marcas. A partir daí vimos o quão forte é a influência do boca a boca para se destacar na internet ou no mercado. Considere que através das conversas diárias existe maior persuasão e convencimento, além de o dialogo ser direcionado a quem tem interesse pelo assunto.

O boca a boca online acontece em apenas 7% dos casos, de acordo com a empresa de pesquisas Keller Fay Group. Então evite o erro de desconsiderar o que acontece off-line quando lançar um video, ideias, campanhas, produtos ou serviços. Preocupe-se em construir algo que seja capaz de virar assunto nas rodas de amigos, no mercado, no trabalho. Incitando um gatilho para o contágio.

Um dos casos  apresentados por Berger no livro é o de uma editora americana que encontrou uma forma simples de popularizar suas obras. Ao invés de dar apenas um livro aos professores para análise, mandava dois. A intenção era  que o segundo exemplar fosse passado adiante para algum aluno ou colega. O felizardo teria uma opinião mais natural comentando o quanto a publicação era interessante e relevante para a área.  Imagine a influência dessa ação.

“Aproveitar o poder do boca a boca, online ou offline, requer entendimento sobre por que as pessoas falam e por que algumas coisas são mais ditas e compartilhadas que outras. A psicologia do compartilhamento. A ciências da transmissão social” – Jonah Berger

Toda essa ciência de transmissão é aprofundada no decorrer da leitura mostrando como trabalhar com fatores e elementos para permitir um aumento efetivo das chances de viralizar seus conteúdos. Acompanhe o vídeo do gerente de tendências do Youtube, Kevin Allocca, e veja a visão dele sobre o assunto:

Caso você tenha mais interesse, uma boa forma de se aprofundar sobre o assunto é participando da Pós-graduação em Gestão  da Comunicação em Mídias Digitais, ofertada pelo Senac. Assim, você desenvolve maiores habilidades para criar tendências e conteúdos relevantes e se destaca nesse oceano digital.