Tecnologia

Conheça o HoloLens: tecnologia em prol da educação

A tecnologia constantemente surpreende o usuário com novidades. Na educação, a imersividade e interação proporcionadas pelas ferramentas digitais permitem uma maneira inovadora de transmitir o conhecimento. Esse é o caso do óculos HoloLens, anunciado pela Microsoft em janeiro.

O conceito de realidade aumentada é o que sustenta o dispositivo, ou seja, ao invés do bloqueio total da visão com uma tela, acrescentam-se elementos ao mundo real com o auxílio de um display transparente. Pode parecer um pouco confuso, mas basta assistir ao equipamento em funcionamento para identificar as possibilidades:

Impressionante, certo? O HoloLens será capaz de tornar, não apenas o entretenimento mais imersivo, como também o aprendizado. Imagine como seria estudar anatomia do corpo humano, por exemplo, visualizar os músculos, ossos e todos os sistemas em detalhes. Isso já é possível e você pode conferir o funcionamento do equipamento dando uma amostra de seu poder e das possibilidades para a construção do conhecimento:

Com o amadurecimento desse segmento novos desenvolvedores serão atraídos para utilizar essa promissora tecnologia e com isso muitas soluções podem surgir. Considere o potencial para as áreas da saúde, como o Curso Técnico de Enfermagem do Senac, e visualize o quanto esse dispositivo vestível poderia contribuir na formação do profissional em um ambiente de baixo risco.

Empolgado? Então compartilhe essa nova perspectiva! ;-)

Livro ou e-reader: qual deles leva a melhor?

Quem não gosta de um bom livro? Eles são fontes de ensino, inspiração e diversão, sempre úteis para transmitir a história do homem. Mas, com o passar das gerações, seu formato sofreu diversas mudanças. Dos textos manuscritos aos livros impressos, avançamos até os formatos digitais, dando origem aos e-books.

Há quem encare o formato digital e a leitura com os e-readers como o próximo passo da evolução dos livros tradicionais. Contudo, essa perspectiva encontra resistência e seus defensores possuem uma forte argumentação. O Senac quer participar da discussão e para isso mostra as vantagens de ambos os lados, reforçando o espaço das duas abordagens.

Vantagens dos livros impressos

  • As sensações específicas que apenas os livros transmitem, como o toque e o cheiro que vem ao abrir e folhear as páginas. O aroma de um livro novo é um verdadeiro perfume;
  • O convite sempre presente a leitura ao ver um livro sobre a mesa;
  • Desfrutar um momento totalmente analógico, desconectando das tecnologias;
  • Considerados melhores para a concentração;
  • Ideais e especiais para dar de presente;
  • Não necessitam de recarga ou tomada. Viajar com eles é certeza de sempre estar em boa companhia;
  • Ótima opção para deixar os ambientes mais agradáveis, bonitos e convidativos;
  • Você pode abrir um livro em qualquer lugar e se sentir seguro.

Vantagens dos e-readers

  • Muito conteúdo gratuito na rede;
  • Biblioteca digital onde todos os seus livros ficam em um único lugar e espaço;
  • Acesso instantâneo seja na compra ou no download de arquivos;
  • Mobilidade e menor peso;
  • Modelos de leitores para todos os gostos e estilos – Kindle na categoria e-redears, tablets como o Ipad cumprem também essa função e até mesmo alguns modelos de smartphones;
  • Livros internacionais e aprofundamento em línguas estrangeiras graças aos dicionários que acompanham;
  • Facilidade de marcar a página, destacar e comentar partes do texto;
  • Opções de customização: tamanho e tipo de fonte, espaçamento entre linhas, cor de fonte e fundo;
  • Textos com hiperlinks levando para outros materiais;
  • Modelos com telas que imitam o papel e não tem iluminação como o Kindle (para aqueles que reclamam do brilho da tela).

A questão que fica é identificar o tipo de experiência que você quer ter na leitura. Assim, analise os diferenciais de cada formato e veja quais deles se adequam aos seus desejos e anseios. Afinal o importante é nunca parar de ler, mantendo a mente ativa e abastecida com novas ideias.

Conta pra gente qual formato você prefere? Até a próxima ;-)

Saiba como manter uma boa reputação na internet

Postar uma foto no Instagram, compartilhar um vídeo no Facebook ou publicar uma frase no Twitter. Todas são ações simples que já fazem parte do comportamento de muitas pessoas. Mas essas atitudes sempre repercutem de alguma forma e a internet torna-se um grande mosaico da nossa personalidade.

Uma vez na rede, nossas informações podem nos favorecer ou prejudicar, atingindo o campo profissional e influenciando profundamente a carreira. Para perceber o quão fácil é o acesso à informação, basta navegar nos perfis de alguns amigos nas redes sociais que você irá conseguir identificar muitos de seus hábitos, posicionamentos e gostos sem muita dificuldade.

O impacto no trabalho começa na seleção do profissional, momento no qual os recrutadores costumam analisar não apenas o currículo ou a entrevista. Utilizam também as redes sociais como ferramentas para obter a maior quantidade de informações a respeito do candidato. Logo, imagine um funcionário no cenário digital, fazendo reclamações do trabalho, manifestando opiniões radicais ou até mesmo expressando-se com linguajar impróprio. Essas posturas podem repercutir negativamente na imagem pessoal e diminuir signitivamente as oportunidades de trabalho.

Por isso, fique atento e avalie que tipo de informação disponibilizar na rede. Pondere quanto aos vídeos, textos, fotos, mensagens ou qualquer compartilhamento feito. Lembre que você é a sua marca e analise se a imagem transmitida é efetivamente a que você almeja passar. Afinal, o ambiente digital e o físico não são planos separados, eles coexistem e um influencia fortemente o outro. Então procure fazer postagens construtivas que mostrem seu melhor e evite tornar seu Facebook um mural de lamentações. Pense sempre no lado bom e ruim de cada postagem, afinal um erro é o suficiente para ser lembrado de uma maneira equivocada.

Essa situação ocorre também nas empresas que, cada vez mais, estão presentes nas redes. Assim, surge mais um ponto de atenção para os empreendedores, pois qualquer deslize de gerenciamento pode trazer graves problemas a uma marca próspera. Não são poucos os casos em que uma empresa envolve-se em polêmicas na internet devido a postagens mal planejadas. Considere que uma foto ou um comentário podem ser interpretados de várias formas. Deste modo, os empregadores, devem procurar profissionais preparados para esses ambientes,minimizando o risco e aumentando os resultados positivos.

Caso você se interesse pelo assunto, uma boa forma de cuidar da reputação online e aprender a lidar com as redes sociais de maneira profissional é fazendo a Pós-Graduação de Gestão da Comunicação em Mídias Digitais do Senac.

Concorda que o cuidado com a reputação online é importante? Este é um bom assunto para compartilhar em suas redes socias. ;-)

Startup, você sabe o que é?

Segundo matéria publicada na Revista Exame, o conceito de startup começou durante a época que chamamos de bolha da Internet, entre 1996 e 2001. Apesar de usado nos EUA há várias décadas, só na bolha ponto-com o termo “startup” começou a ser usado no Brasil. Significava um grupo de pessoas trabalhando com uma ideia diferente que, aparentemente, poderia fazer dinheiro. Além disso, “startup” sempre foi sinônimo de iniciar uma empresa e colocá-la em funcionamento.
Muitas pessoas dizem que qualquer pequena empresa em seu período inicial pode ser considerada uma startup. Outros defendem que uma startup é uma empresa com custos de manutenção muito baixos, mas que consegue crescer rapidamente e gerar lucros cada vez maiores. Mas há uma definição mais atual, que parece satisfazer a diversos especialistas e investidores: uma startup é um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza.

Quando se torna escalável, a startup deixa de existir e dá lugar a uma empresa altamente lucrativa. Caso contrário, ela precisa se reinventar – ou enfrenta a ameaça de morrer prematuramente.

Fonte: http://exame.abril.com.br/pme/noticias/o-que-e uma-startup

Para que sua ideia tenha chances de gerar muitos frutos, nos dias 22, 23 e 24, a Faculdade Senac Florianópolis receberá o Startup Weekend Education. Evento busca reunir webdesigners, programadores, profissionais de marketing, de gestão e estudantes para criarem novas startups visando inovação na área de Educação, em apenas 54 horas. Os participantes receberão ajuda de mentores e farão apresentações para investidores convidados. Inscreva-se no link: http://senac.sc/1hd9iw

 

Saiba o poder do offline no marketing viral

A era digital deu voz e vez a todos e, com isso, somos sobrecarregados com notícias, propagandas e entretenimento em geral. Nesse mar de informação é  cada vez mais difícil de ganhar destaque.

Afinal, existe uma forma de fazer isso com facilidade? Muitos elementos contribuem para divulgar ideias, produtos ou serviços. Logo, o caminho até  o alvo ainda apresenta mistérios e depende de fatores indefinidos. Vejamos ideias simples, como o sucesso dos animais nas redes sociais cada vez mais virando negócios de maneira espontânea, enquanto outros tentam sem resultados.

O Senac acompanha o mercado, observa as principais tendências do que consegue contagiar e se fixar na cabeça dos clientes. Claro que os primeiros passos devem ser a preocupação com a qualidade, preço e propaganda. Contudo, apenas isso não será o suficiente para fazer a mágica e se espalhar pela rede.

O autor Jonah Berger, no livro Contágio: Por que as coisas pegam, apresenta informações valiosas, mostrando uma direção. Tenha em mente que sempre haverão ideias melhores. Mas, devemos investir em transmitir histórias significantes pra quem nos cerca e com isso aumentar as chances de viralização.

A cada dia compartilhamos mais de 16 mil palavras e no meio disso ocorrem cem milhões de conversas sobre marcas. A partir daí vimos o quão forte é a influência do boca a boca para se destacar na internet ou no mercado. Considere que através das conversas diárias existe maior persuasão e convencimento, além de o dialogo ser direcionado a quem tem interesse pelo assunto.

O boca a boca online acontece em apenas 7% dos casos, de acordo com a empresa de pesquisas Keller Fay Group. Então evite o erro de desconsiderar o que acontece off-line quando lançar um video, ideias, campanhas, produtos ou serviços. Preocupe-se em construir algo que seja capaz de virar assunto nas rodas de amigos, no mercado, no trabalho. Incitando um gatilho para o contágio.

Um dos casos  apresentados por Berger no livro é o de uma editora americana que encontrou uma forma simples de popularizar suas obras. Ao invés de dar apenas um livro aos professores para análise, mandava dois. A intenção era  que o segundo exemplar fosse passado adiante para algum aluno ou colega. O felizardo teria uma opinião mais natural comentando o quanto a publicação era interessante e relevante para a área.  Imagine a influência dessa ação.

“Aproveitar o poder do boca a boca, online ou offline, requer entendimento sobre por que as pessoas falam e por que algumas coisas são mais ditas e compartilhadas que outras. A psicologia do compartilhamento. A ciências da transmissão social” – Jonah Berger

Toda essa ciência de transmissão é aprofundada no decorrer da leitura mostrando como trabalhar com fatores e elementos para permitir um aumento efetivo das chances de viralizar seus conteúdos. Acompanhe o vídeo do gerente de tendências do Youtube, Kevin Allocca, e veja a visão dele sobre o assunto:

Caso você tenha mais interesse, uma boa forma de se aprofundar sobre o assunto é participando da Pós-graduação em Gestão  da Comunicação em Mídias Digitais, ofertada pelo Senac. Assim, você desenvolve maiores habilidades para criar tendências e conteúdos relevantes e se destaca nesse oceano digital.

9 Dicas para você garantir sua segurança digital

O Senac recentemente abordou o tema sobre senhas que você pode conferir aqui. Visando aprofundar o assunto, nosso professor do curso Técnico em Redes, do Senac em Palhoça, Charles Josiah Rusch Alandt,elaborou algumas dicas para quem está sempre conectado ter a segurança de suas informações garantidas. Segundo ele, podemos facilmente ter nossas identidades digitais roubadas, o que seria um crime equivalente a falsidade ideológica. Por isso é importante estar atento para não ser vítima.

Exemplos de brechas não faltam.  Desde a utilização da identidade para envio de SPAMs, ao acesso as contas para crimes financeiros e outras fraudes. A punição para este tipo de crime vem se agravando. Um dos exemplos é a criação da Lei nº 12.737 ou Lei Carolina Dieckmann – batizada em referência ao caso da publicação de fotos íntimas sem autorização da atriz – a qual define que o “atacante” está sujeito à reclusão de um a cinco anos por invasão de dispositivo informático. Em 2013, o assunto foi novamente discutido com o vazamento das informações confidenciais da CIA, nos EUA, como você pode acompanhar nessa postagem.

A questão é: como você pode se precaver? Para não cair em nenhuma armadilha, confira as 9 dicas e recomendações do professor Charles:

  1. Nunca use senhas simples, como: 123 321, admin, data de nascimento, casamento, nome esposa ou dos filhos. Uma famosa falha ocorreu em 2010, com o apresentador  Luciano Huck, na ocasião teve sua conta do Twitter roubada e o invasor ainda postou: “Sério que a tua senha é a data do teu aniversário?”.
  2. Nunca fale a sua senha para outras pessoas ou dê indícios para evitar ataques do tipo “Engenharia Social”, ou seja, informações que possam ser descobertos facilmente, estudando as redes sociais da vítima.
  3. Use uma senha diferente para cada serviço online.
  4. Nunca anote as senhas em locais fáceis e visíveis, como em um “post-it” no monitor ou escrito debaixo do teclado.
  5. Utilize senhas com caracter especial, letras, números, maiúsculos, minúsculos  e com no minimo 6 dígitos. Considere que uma senha de 6 caracteres, somente letras minúsculas, leva em aproximadamente 1 segundo para ser descoberta; enquanto a mesma senha mas com somente 1 caracter especial já aumenta para 3 horas. E já uma senha com maiúsculos, minúsculos, números e caracteres especiais eleva o tempo para 30 anos. Teste a segurança da sua senha no site how secure is my password.
  6. Procure trocar a senha periodicamente. O ideal é entre 90 a 180 dias efetuar uma mudança. Mas se desconfiar que elas tenham sido descobertas ou que o computador no qual você as usou tenha sido invadido altere o quanto antes.
  7. Utilize a autenticação em duas etapas para serviços de e-mail e rede social. Esse procedimento já é comum em bancos como Itaú, Bradesco e Santander que fazem uso de uma cartela com senhas únicas para cada pessoa.
  8. Evite salvar as senhas no navegador. Fique atento as mensagens: lembre-se de mim, continuar conectado ou salvar essa senha. Assim você não corre o risco de salvar por acidente.
  9. Mantenha seu antivírus, antispam, anti-malware e firewall atualizados.

O professor ainda complementa: “A luta para garantir nossa individualidade, nossa identidade na internet é diária. Não podemos achar que não somos ninguém, e não sofreremos nenhuma ataque ou tentativa de roubo de nossas informações. Pessoas que pensam assim são os primeiros a ser comprometidos.”

Agora você já se sente preparado? Uma boa forma de entender mais sobre o assunto é compreender como é o desenvolvimento de sistemas e consequentemente suas falhas de segurança ou, caso você crie admiração pela área, inspirado pelo professor Charles, que tal uma pós-graduação em Segurança da Informação?

E você? Já teve seus dados comprometidos, compartilhe nos comentários suas experiências. ;-)

Senhas seguras

A quantidade de senhas que gerenciamos aumenta diariamente. Isso acontece graças ao crescente número de serviços digitais utilizados em computadores ou dispositivos móveis. Por isso, quando acontece uma falha na segurança com o comprometimento da senha é importante tratar o assunto com seriedade.

O primeiro passo é fugir do comum. Uma recente lista divulgada pela Splash Data, empresa internacional focada em soluções de segurança, identificou 25 das senhas mais usadas em 2014. Evite usar as populares 123456, password, qwerty ou palavras específicas como dragon ou football. As referências familiares como aniversário, nome dos filhos ou outras que possam ser facilmente adivinhadas com um pouco de conhecimento a seu respeito também precisam ser desconsideradas. Lembre-se de nunca utilizar uma mesma senha para serviços diferentes, afinal basta um deles ser comprometido para abrir uma grande brecha.

Sempre leia atentamente os termos de uso do serviço, pois quando alguém consegue roubar os dados e utiliza sua conta de maneira indevida, ameaçando a terceiros por exemplo, o proprietário da conta pode ser penalizado em multas ou mesmo detenção. Os cuidados devem ser dobrados quando o serviço estiver associado a dados monetários. Deste modo, fica evidente a necessidade de fazer a sua parte, garantindo a segurança das suas informações através de senhas fortes.

Não comprometa as facilidades do meio digital por ter senhas fracas. Ao cadastrar uma nova senha opte por mais de seis caracteres e varie entre letras maiúsculas e minúsculas, números, símbolos especiais e até mesmo espaços em branco.

Utilizando essas dicas do Senac/SC e, alternando com frequência sua senha, conseguirá preservar a integridade das suas informações.

Gamificação: ferramenta do Marketing Digital

No marketing digital encontrar a melhor forma de envolver o consumidor é um desafio. Muitas vezes faltam incentivos e motivadores nas campanhas e, mesmo utilizando as redes sociais e compartilhando conteúdos relevantes, a audiência não responde como a marca previa. É necessário ter estratégias que inspirem a interação, possibilitando um maior engajamento.

Por muito tempo uma estratégia vem sendo utilizada para fortalecer e incentivar as pessoas, mas sua identificação e atribuição é recente. Chamada de gamificação, esta é uma ferramenta de marketing digital que usa mecânicas de jogos e psicologia para direcionar o usuário a um comportamento específico. O objetivo é que tanto a marca, quanto o consumidor sejam beneficiados nessa transação.

A gamificação leva recursos característicos de jogos, como desafios, pontos, emblemas, placares e recompensas para fora deles, o que por seus aspectos interativos possibilitam ampliar o engajamento e fidelização do cliente. Através da gamificação o consumidor recebe bonificações por suas ações, o que se torna um estímulo. Para funcionar é importante considerar que a recompensa não pode ser sem motivo, é necessário analisar como será o impacto nas motivações do consumidor garantindo que ele se engaje pelo conteúdo.

O que na teoria parece simples, na prática exige muita pesquisa. A Nike, por exemplo, lançou o Nike plus, um sensor que se integra ao ipod ou iphone, passando os dados das suas corridas. A gamificação ocorre no site onde é possível traçar objetivos, liberar conquistas, ganhar pontos e entrar nos placares aumentando a competição e estimulando o atleta amador a correr e treinar cada vez mais. Outro exemplo é o Recycle Bank, um portal americano que ensina sobre sustentabilidade. Ao ler os conteúdos e interagir nas páginas você ganha pontos que podem ser convertidos em cupons de descontos e vantagens. Até a rede Starbucks, popular loja de cafés, investiu em um sistema no qual suas compras geram estrelas que são revertidas em descontos e produtos. Vantagem para o cliente, vantagem para a marca.

A tendência da gamificação pode auxiliar por muito tempo o marketing digital. Segundo o relatório da 7Summits*, mais de 70% das duas mil maiores empresas do mundo utilizou a gamificação em 2014.

E você? O que achou dessa tendência? Acredita que ao utilizar a gamificação podemos ficar mais motivados?

*Agência Internacional, oferece soluções e estratégias de negócios.

Por que cursar Gestão em Tecnologia da Informação?

O Brasil é o 12º mercado de software no mundo e tem um crescimento anual de 11%.
Só em Santa Catarina, mais de 3 mil empresas de tecnologia empregam diariamente cerca de 25 mil pessoas, produzindo R$ 1,5 bilhões em bens e serviços, com mais de 80% exportado para outras regiões do país e para o exterior.

Essa é só mais uma comprovação de que o setor tecnológico está se expandindo cada vez mais. Se você gosta do assunto e quer trabalhar na área, chegou a hora de investir na sua carreira e se capacitar.

A graduação em Gestão da Tecnologia da Informação, por exemplo, é ideal para aqueles que desejam se destacar.
Quem opta pelo curso aprende a planejar e a gerenciar projetos de infraestrutura nas empresas; descobre como prestar consultoria na análise de soluções de TI e como administrar as equipes dos projetos. Tudo isso a partir de conhecimentos específicos e consistentes da própria área de atuação – hardware, software, banco de dados e equipamentos.

O tecnólogo é capacitado para diagnosticar disfunções do sistema, solucionar problemas de rede e, até mesmo, escolher os projetos de informática que podem ser adotados na empresa em que trabalha. É ele quem determina as estratégias de como a informática pode ser usada para garantir um bom desempenho em cada setor de uma companhia.

E então, se interessou e acha que Gestão da Tecnologia da Informação tem tudo a ver com o seu perfil? Não perca tempo, ainda mais agora, que você sabe que o mercado brasileiro é favorável. O Senac está com as inscrições abertas para o processo seletivo. Para mais informações acesse: http://senac.sc/06z5F7

Saiba o que faz um tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Já não é novidade que o mercado tecnológico está cada vez mais em expansão. Se você gosta do assunto e está procurando pela profissão ideal, saiba que o Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas é uma opção a ser levada em conta.

Essa graduação capacita o profissional para analisar, especificar, atualizar e desenvolver sistemas computacionais de informação para setores variados. Tudo isso com base em teorias e técnicas inerentes; pautadas em ergonomia, segurança, qualidade e ética.

Programar computadores e desenvolver softwares está dentro das tarefas deste tecnólogo. É a partir desse conhecimento que ele pode aproveitar as máquinas da melhor forma possível, ampliar a capacidade de armazenamento de dados e aumentar a velocidade do processamento das informações. Ele também pode desenvolver e implantar banco de dados para internet, intranet e sistemas de computação.

Como tudo no mundo digital muda com muita frequência, é importante que o profissional esteja sempre atento e se mantenha atualizado sobre os ambientes operacionais que servem de suporte para aplicativos e sobre as linguagens de programação.

O Senac Santa Catarina também oferece a Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. O curso tem duração de 2 anos e meio e está disponível nas unidades do Senac em Florianópolis e Blumenau. Curtiu a profissão? As inscrições para o processo seletivo estão abertas. Acesse: http://senac.sc/Hxy5CT.

O universo onde tudo é possível

Androides corredores, saga de pinguins, um planeta onde tudo é redondo, corridas de carro em circuitos surreais e outras situações inimagináveis no mundo real criam vida nas mãos dos nossos técnicos em programação de jogos digitais. A turma, primeira do estado de Santa Catarina a se formar nesse curso, possui onze alunos e apresentou uma série de games como projeto final para uma banca avaliadora.

Game Square World, desenvolvido pelos alunos Jefferson Suzuki e Kamila Lucas

Penguins Games, uma série de jogos com a temática de pinguins, desenvolvida pelos alunos Gabriel Conti e Geovani Andrades

Foram desenvolvidos e apresentados mais de 10 opções de novos jogos, que seguiram exigências, como serem multiplayers, utilizarem diferentes plataformas de desenvolvimento, incluindo plataformas mobile, e possuírem todo o desenvolvimento baseado no GDD (Game Design Document), que é o documento norteador de todo o planejamento de um jogo.

A banca avaliadora teve a oportunidade de testar a funcionalidade dos games (e claro, se divertir também)

A criatividade aliada a técnica foi um grande diferencial apontado por um dos orientadores do curso, Daniel Priori. Segundo ele, a indústria de jogos está aquecida e o intuito é que o Brasil passe de consumidor para provedor de jogos que podem se destacar no mercado internacional pela originalidade.

Orientador Daniel Priori

Alunos criadores da “Ninja Crow Studios”. Da esquerda para direita: Bruno Vasconcelos, Marcelo Ferreira, Lucas Teixeira e Lucas Lazarin

Os alunos Lucas Lazarin, 20, e Bruno Vasconcelos, 22, que juntamente com outros dois colegas já planejam a abertura da própria startup, percebem que o mercado de jogos necessita de novas propostas. Com o conhecimento proporcionado pelo curso, mais o incentivo em empreender, se sentiram estimulados a unir forças e investir no desenvolvimento e amadurecimento do projeto desenvolvido em sala de aula. Todos os jogos desenvolvidos pela turma seguiram o principal propósito do curso, o desenvolvimento de jogos digitais baseados nas mais diversas tecnologias, seguindo tendências e pensando no lado comercial.

Turma completa do curso Técnico em Programação de Jogos Digitais e os orientadores do curso