O que é o movimento maker?

topo-de-blog

O movimento maker nada mais é do que um aprimoramento (mais técnico) da cultura DIY – Do It Yourself ou, em português, Faça Você Mesmo. Ele defende a ideia de que pessoas comuns são capazes de construir, consertar e modificar objetos com suas próprias mãos.

A filosofia não só promete mudar a maneira com que criamos e nos relacionamos com as coisas, como tem, pouco a pouco, ganhado adeptos. Não à toa, nos últimos anos, centenas de pessoas – conhecidas como makers ou fazedores – criaram empresas que fomentam a cultura maker como uma forma de trabalhar.

A chegada de tecnologias de construção sofisticadas, como impressoras 3D, tornou possível a qualquer pessoa projetar e construir o que bem quiser. Um brinquedo para dar de presente ao seu filho? Um objeto decorativo? Tudo é possível, basta ter criatividade!

Boa parte do sucesso atual do movimento maker se deve justamente ao fato de que é cada vez mais fácil o acesso às informações e às ferramentas necessárias para produzir seus próprios objetos. No entanto, essa cultura de fazer você mesmo já existe há décadas e foi responsável por uma das maiores invenções da modernidade: os computadores pessoais.

Os computadores pessoais tiveram suas origens no Homebrew Computer Club – Clube dos Computadores Caseiros, em português. Foi lá que Steve Jobs e Steve Wozniak apresentaram, pela primeira vez, o Apple I. Ou seja, eles tinham uma boa ideia, sabiam como fazer e fizeram.

Movimento Maker na educação

Muito comum nos EUA e na Europa, a tendência vem crescendo no Brasil. Durante as aulas, os professores introduzem atividades práticas e de experimentação, a fim de valorizar a criação e desenvolver o pensamento criativo e crítico.

Como a essência no movimento maker é justamente colocar a mão na massa, quando você faz isso em uma sala de aula, muda-se a percepção das crianças, que se tornam mais ativas no processo de aprendizado. Além, é claro, de ser importante para o futuro: especialistas afirmam que aqueles que não entenderem o conceito maker e não souberem prototipar serão considerados “analfabetos funcionais”. Mais ou menos como quem não tem conhecimento em informática nos dias de hoje.

Para implantar essa filosofia, é importante que crianças e adolescentes tenham um espaço para criar. Pode ser um laboratório ou uma sala de aula adaptada com vários materiais: desde papéis coloridos e materiais recicláveis até madeiras e tintas. Assim, os estudantes têm a chance de criar protótipos e colocar em prática seus projetos.

Makerspaces pelo Brasil

Foi nesse contexto que surgiram os makerspaces. Eles são espaços físicos equipados com máquinas de fabricação digital e outros materiais. Lá, as pessoas têm a oportunidade e as ferramentas necessárias para colocar a mão na massa.

E o mais interessante desses espaços é que você pode contar com a ajuda de outros makers para ajudá-lo na hora de executar a sua ideia. Afinal de contas, alguém provavelmente já tentou fazer algo parecido com a sua ideia e pode compartilhar dicas do que deu certo ou não.

Em Santa Catarina já começaram a surgir alguns espaços makers. O primeiro foi instalado pelo SESI na cidade de Blumenau, em março de 2017. Desde então, a instituição já expandiu para outras duas cidades – Joaçaba e Pinhalzinho -, e o objetivo é ir além.

Florianópolis também possui uma FabLabFabulous Laboratory ou Laboratório Fabuloso, em português. Instaladas ao redor do mundo, as FabLabs são espaços nos quais qualquer pessoa pode ter acesso aos mais modernos meios de fabricação e prototipagem de produtos: impressoras 3D, placas eletrônicas, entre outros.

A ideia é oferecer oportunidades de produção local de ideias auxiliada por uma rede global. Atualmente, já existem mais de 1000 FabLabs ao redor do mundo, sendo que 40 estão instaladas em cidades brasileiras.

E aí, gostou do conceito do movimento maker? Procure na sua cidade o makerspace mais próximo e coloque a mão na massa!

E se você tem ideias inovadoras e quer desenvolver essas habilidades, o Senac SC possui diversos cursos na área de tecnologia. Quem sabe não é o conhecimento que falta para você começar a planejar e executar seus próprios projetos? ;)

Leia também