Moda ecológica: a tendência da vez

20

Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /var/www/tiki/blog/wp-content/plugins/easy-social-share-buttons/includes/class-easy-social-share-buttons.php on line 762

Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /var/www/tiki/blog/wp-content/plugins/easy-social-share-buttons/includes/class-easy-social-share-buttons.php on line 762

Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /var/www/tiki/blog/wp-content/plugins/easy-social-share-buttons/includes/class-easy-social-share-buttons.php on line 762

E se você pudesse estar na moda, usar peças diferentes, bonitas, que tenham a ver com o seu estilo e que, ainda por cima, contribuem com o meio ambiente? É isso que a Moda ecológica – ou Eco Moda – possibilita: se expressar por meio do que escolhemos vestir, mas com sensatez.

Muitas marcas e estilistas têm repensado a moda na atualidade e estão usando materiais ecologicamente corretos; reaproveitando apetrechos de coleções passadas, utilizando a tecnologia como aliada para que a confecção das peças seja cada vez mais ética e responsável. Grifes internacionais como Gucci, Nike, H&M e Stella McCartney já estão investindo nesse tipo de negócio e, entre as brasileiras, destacam-se a Osklen, Hering e Ronaldo Fraga.

    Vestido eco criado por Stella McCartney

    O conceito de fashion eco vai muito além de colaborar com a preservação do planeta. Essa nova visão interfere na forma como consumimos, em nossa saúde e na geração de novos empregos. Por exemplo: quando uma marca resolve vender t-shirts feitas com garrafas PET, aumenta o número de empregados em fábricas de tecidos e confecções e a demanda por cooperativas de catadores.

      Roupas com tecidos orgânicos da marca Osklen

      Além disso, a maioria das roupas eco é feita sem a utilização de produtos químicos, corantes ou branqueadores, por isso elas são benéficas para a nossa saúde. Entre as matérias-primas utilizadas estão restos de madeira, algodão orgânico, sementes, fibras de bambu, entre outros. Essa tendência também interfere na forma como consumimos. Sabe as roupas, acessórios, entre outros objetos, que você não usa mais? Eles podem ser reaproveitados quando os customiza.

        Óculos feitos com restos de madeira da marca Leaf

        No livro A Moda, a jornalista Érika Palomino ressalta que a partir do ano 2000 entramos em um novo culto da individualidade, redefinindo os contornos da moda e servindo de tempero à virada do milênio, sendo que um dos pilares é a customização; a subversão total do que se entende por “tendência”, já que mesmo as peças compradas na estação atual podem ser furadas, rabiscadas e alfinetadas.

        É calça que vira short, a camiseta que é transformada em regata e a jaqueta jeans que agora tem tachas… É uma forma de continuar a usar aquela peça que você tanto gosta e consumir menos, com consciência.

        Outra sugestão para quem também quer contribuir com o meio ambiente sem deixar o estilo de lado são os bazares, cada vez mais presentes nos grupos criados no Facebook, WhatsApp e em contas do Instagram. Lá as pessoas trocam roupas, sapatos e acessórios usados, ou os vendem por preços mais baixos. Legal, não é mesmo? O mesmo sistema serve para troca de roupas entre amigos e em brechós convencionais.

        Ou seja, com as atitudes certas é possível sim se vestir bem, gastar menos e ajudar a preservar o planeta. Planejar antes de comprar, abandonando as comprinhas por impulso; cuidar das roupas, fazendo os reparos necessários, evitar lavagens a seco, doar peças que você não usa mais ou usar a criatividade para reaproveitá-las, são formas de estar em paz com o guarda-roupa, com o meio ambiente e com sua consciência.

        Leve essas ideias para seus amigos! Quem sabe no próximo café vocês já não trocam algumas peças, hein? ;)

        Leia também: