Gestão e Mercado

Mudança de hábito: Estamos mais ecologicamente conscientes

O consumidor brasileiro está ecologicamente mais consciente. A conclusão é de uma pesquisa feita pela Fecomércio, em parceria com o Instituto Ipsos, um instituto internacional de pesquisa de mercado.

O número de consumidores que deixaram de usar as sacolas plásticas passou de 5% para 17%, em dois anos. E o número de aqueles que, em casa, separam o lixo orgânico do reciclável também cresceu. Segundo Christian Travassos, economista da Fecomércio-RJ, apesar de mostrar avanços em alguns quesitos, ela reflete hábitos sociais que levam tempo para serem consolidados.

Os números da pesquisa também apontam para o surgimento de um novo consumidor, com hábitos diferentes: 39% dos brasileiros das classes A e B afirmam consumir produtos com menor impacto ambiental, contra 25% e 19% das C e DE, respectivamente. Os praticantes do consumo consciente são aqueles que adquirirem produtos eticamente corretos, ou seja, cuja elaboração não envolva a exploração de seres humanos, animais e não provoque danos ao meio ambiente.

Vamos ver alguns hábitos ecologicamente corretos e bem fáceis de aplicar na prática?

1. Economizar água: banhos curtos; fechar a água na hora de escovar os dentes; lavar o carro com balde ao invés de deixar a mangueira ligada;
2. Desligar aparelhos da tomada, quando não estiverem sendo utilizados;
3. Desligar o monitor do computador quando se ausentar;
4. Apagar as luzes dos ambientes que estão vazios;
5. Usar sacolas de pano ao invés de sacolas plásticas, para carregar as compras;
6. Andar mais a pé ou de bicicleta. Caso trabalhe longe, vá de vez em quando de carona ou transporte público;
7. Dê carona: isso evita que as pessoas saiam de carro, o que prejudica o meio-ambiente, e ainda gera trânsito;
8. Recicle pilhas e baterias;
9. Economize nas embalagens quando comprar produtos;
10. Seja um consumidor mais consciente!

Fácil, né?

As informações foram tiradas daqui!

Conferência Rio+20

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, comemora o 20º aniversário da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNCED), que ocorreu no Rio de Janeiro em 1992, e o 10º aniversário da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável (WSSD), ocorrida em Johanesburgo em 2002.

O objetivo desta conferência é  renovar o  comprometimento político para o desenvolvimento sustentável, avaliar o progresso feito até o momento e as lacunas que ainda existem na implementação dos resultados dos principais encontros sobre desenvolvimento sustentável, além de abordar os novos desafios emergentes.

Como preparativo da conferência, teve início esta semana em Nova York (EUA), a segunda rodada de negociação sobre on rascunho zero da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. Até o dia 4 de maio, os representantes dos países que participarão do evento devem dar contribuições aos grupos de negociação.

As discussões deverão envolver desenvolvimento sustentável para o combate à pobreza, energia e economia sustentáveis, além de temas como água e segurança alimentar e nutricional.

O embaixador aposentado Flávio Perri, que coordenou a Rio 92 – a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento – disse que uma das principais diferenças entre os dois eventos é que àquela época não havia uma mobilização popular como existe atualmente.

“A característica da Rio+20 é que não são apenas os governos, os presidentes e chefes de Estado que vão participar e assinar um documento principal. É toda a opinião pública”. Ele destacou que, pela primeira vez, o evento será transmitido em tempo real pela internet para todo o mundo. “Milhões de pessoas vão ver o que se passa no Rio”. Essa distinção é muito importante, disse Perri, porque dá uma característica participativa à Rio+20.

Outra diferença entre as duas conferências, segundo o diplomata, é que não havia, em 1992, o conceito de desenvolvimento sustentável como existe hoje. Ele lembrou que esse conceito foi enunciado pela primeira vez no Relatório Brundtland, resultado de uma comissão independente constituída sob o comando da ONU e chefiada pela primeira-ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland.

Apresentado em 1987, o relatório Nosso Futuro Comum propõe o desenvolvimento sustentável, que “atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas necessidades”.

A Conferência está programada para o período entre 20 a 22 de junho. Para mais informações, acesse o site oficial do evento.

Rio + 20: mudanças climáticas

Desastres naturais têm sido uma constante pauta nos noticiários nacional e internacional. Vendavais, temporais, terremotos, longos períodos de estiagem, degelo das calotas polares, tsunami… O planeta dá sinais de constantes transformações. Qual a real responsabilidade da ação do ser humano nessas mudanças? O aquecimento global é um fato natural ou estamos acelerando e agravando o fenômeno? Será que existe um jeito “sustentável” de viver bem?

Essas e outras questões estarão em debate no programa Teleconferência Em Foco Rio +20: mudanças climáticas, a ser exibido para todo o país, hoje, dia 22 de março, das 15h às 17h (horário de Brasília), pela Rede Sesc-Senac de Teleconferência e pelo canal de televisão por assinatura Sesc TV.

O evento é uma iniciativa do Sesc Nacional em parceria com o Senac Nacional e contará com as participações dos especialistas: Ildeu de Castro Moreira, diretor do Departamento de Difusão e Popularização da Ciência e da Tecnologia do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação; José Antonio Marengo Orsini, chefe do Centro de Ciências do Sistema Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e Sérgio Besserman Vianna, presidente do Grupo de Trabalho da Prefeitura do Rio de Janeiro para a Conferência Rio +20 e da Câmara Temática de Desenvolvimento Sustentável da Cidade do Rio de Janeiro.

Mediado pela jornalista Bárbara Pereira, com o apoio da intérprete da Língua Brasileira de Sinais Gildete Amorim, o programa de debates pretende ainda esclarecer sobre a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, que se realizará em junho na cidade do Rio de Janeiro, exatos 20 anos após a primeira reunião de cúpula mundial, conhecida como Rio 92.

Nesse programa, vamos entender melhor os objetivos da conferência e debater o papel de cada cidadão na construção de um mundo sustentável.

O programa Teleconferência em Foco será transmitido diretamente do Centro de Produção de Rádio e Televisão do Senac Nacional, no Rio de Janeiro, para cerca de 400 salas e auditórios espalhados pelas 27 unidades da federação, com interatividade garantida ao público de todo o país. Durante o debate, perguntas poderão ser enviadas por e-mail teleconfsesc@senac.br, por telefone (0800 283-0270) ou fax (0800 023-0220). Ou pelo twitter @teleemfoco.

Confira abaixo onde você poderá assistir ao programa!

Para assistir nas unidades do Sesc, acesse:

www.senac.br/telemail/2011/avaliacao/rel_sesc.html

Para assistir nas unidades do Senac, acesse:

www.senac.br/conhecimento/tele-onde.html