Autor: blogsenac

5 dicas de como ser tornar um líder de sucesso

Um líder administra equipes, coordena projetos, delega tarefas e motiva os funcionários, são muitas as funções de um gestor e todas elas influenciam diretamente no sucesso da empresa. Essas atribuições precisam ser executadas de forma plena, para que o resultado seja benéfico tanto para a empresa quanto para seus colaboradores.

Executar todas essas tarefas com maestria são características de um bom líder, mas o instinto nem sempre vem com a personalidade. Para assumir essa função a pessoa precisa de aprendizado, experiência e aperfeiçoamento constante para se tornar um alguém reconhecido na sua empresa e no mercado de trabalho.

Melhore seu desempenho como líder

1 – Gerencie sua equipe

Toda empresa tem metas e objetivos. Converse com sua equipe abertamente para que todos saibam com clareza quais são eles. Defina responsabilidades nesse propósito, de acordo com os talentos e perfis da sua equipe. Gerencie as funções para que cada um saiba qual o seu papel nessa conquista e incentive seus colaboradores de forma ativa, assim eles vão ter um maior engajamento com a empresa e vão estar motivados a melhorar seu desempenho.

2 – Inove

Um grande líder sempre está em busca de inovação. Estar aberto para escutar e debater melhora o vínculo de confiança entre você e seu colaborador. Independente da sua área de trabalho, toda ideia criativa pode ser a solução para um problema da empresa ou uma estratégia de sucesso. Instigue sua equipe para que eles também se sintam livres para contribuir com novas ideias. Às vezes para ter sucesso é preciso pensar fora da caixa.

3 – Trabalhe em equipe

De nada adianta ter excelentes talentos dentro da sua empresa se essas pessoas não trocam ideias ou experiências. Reuniões em equipe para discussão e debate só encorajam ainda mais a cultura de inovação. Uma ideia brilhante, quando compartilhada, pode agregar diversas outras para a empresa, e incentivar essa prática, demonstra novamente, confiança na equipe. Assim, eles se sentem encorajados e relevantes dentro do processo de trabalho.

4 – Dê feedback

Falar sobre o desempenho com seus funcionários ajuda para que eles possam compreender a expectativa da empresa diante do seu trabalho desenvolvido. Parabenizar ajuda na motivação geral na busca por melhores resultados da equipe. O feedback negativo também é necessário, mas tenha cuidado ao fazê-lo. Saber quais são os pontos a aperfeiçoar no sentido profissional é ótimo para que seu colaborador possa melhorar e aprimorar sua performance dentro da empresa.

5 – Seja apaixonado pelo que faz

Gostar do que faz é fundamental para ser um bom líder. Isso faz com que seu trabalho e rotina sejam prazerosos e vai colaborar para seu desempenho dentro da empresa. Transmitir esse sentimento para sua equipe pode favorecer no desempenho e relacionamento dos colaboradores com a empresa.

Gostou dessas dicas? Se você quer melhorar como líder, conheça os cursos de gestão do Senac SC. Com conteúdos atuais e docentes com experiência profissional, você pode garantir o seu sucesso. Acesse o link: http://senac.sc/8KxY0j

Pedicure x Podologia: Entenda as diferenças entre as áreas

A área de cuidado com os pés está em crescimento acelerado. E com isso faz surgir uma dúvida importante: as diferenças de atuação entre um profissional da podologia e um pedicure. Ambos os profissionais são importantes para a saúde dos nossos pés, porém com funções diferentes.

Apesar de ambas as áreas cuidarem do mesmo membro do corpo, o foco é completamente distinto. Enquanto uma cuida de questões estéticas e de beleza, a outra cuida da saúde dos nossos pés e unhas.Ou seja, se você costuma ir ao pedicure semanalmente para fazer as unhas lembre que um podólogo também deve ser consultado com regularidade para garantir a saúde dos seus pés.

O que faz um profissional da podologia?

Resumidamente, o podólogo é o responsável por garantir a saúde dos seus pés. Você já deve ter percebido que cada pessoa possui um formato de unha e um tipo de pisada, não é mesmo? Isso influencia em problemas individuais que só um profissional da podologia pode solucionar, por exemplo: unhas encravadas, calosidades, micoses e até orientação para comprar palmilhas e sapatos.

Diferente de pedicures, os podólogos possuem uma formação técnica específica, assim como qualquer outro profissional da saúde. Dessa forma, ele é capacitado para reconhecer e propor o tratamento adequado para as diversas doenças dos pés. Nessa rotina caótica em que vivemos é comum sentirmos dores nos pés ou termos calos e bolhas pelo uso constante de sapatos desconfortáveis. Problemas relacionados a unhas encravadas, infecções nas unhas e dores constantes nos pés também são alguns dos motivos pelos quais você deveria consultar um podólogo. Mas não é só diante de problemas que eles devem ser procurados, assim como consultas médicas de rotina, os podólogos devem aparecer com regularidade na sua agenda, ok?

E um pedicure?

Entendendo a função de um podólogo, a diferença entre os dois profissionais já fica bastante clara. O pedicure é aquele que você costuma marcar antes de um evento especial, ou até mesmo semanalmente, para cuidar da estética das suas unhas. Seja para retirar as cutículas, renovar a cor do esmalte ou até mesmo para a limpeza, todos os cuidados básicos acabam passando inicialmente por ele.

Apesar de ter um contato mais próximo, não é recomendado que ele seja o responsável por tratar qualquer situação mais complexa como as citadas acima.

Foi possível ver a diferença? Por mais que ambos possuem a sua importância no mercado da saúde e estética, cada um tem a sua própria função específica! Se você tem interesse em se tornar um profissional nessa área, o Senac SC oferece cursos livres e técnicos para manicure, pedicure e especializações mais avançadas nessa área. Confira as unidades em que esse cursos são oferecidos no site:  http://senac.sc/v495E3

Conheça o Vale do Silício e aprenda com os melhores em sua área

Você já deve ter ouvido falar no Vale do Silício, não é? É o grande polo de tecnologia norte-americano onde se encontram as maiores e mais bem-sucedidas empresas de tecnologia do mundo. Agora imagine trocar experiências com alguns dos gestores dessas empresas e conhecer seu modelo de negócio! Essa é a ideia da Missão Técnica Vale do Silício do Senac Santa Catarina.

A Missão levará empresários brasileiros a uma viagem para entender e vivenciar a cultura do Vale do Silício. Serão diversas visitas técnicas orientadas a diferentes empresas com foco na cultura e educação empreendedora, negócios internacionais, aceleradoras e incubadoras de empresas de nicho. Para você ter uma ideia: nessa viagem você poderá conhecer organizações como o Airbnb, Google, Linkedin, Netflix, NASA e instituições de ensino renomadas, como a Universidade de Stanford. O objetivo das visitas é compartilhar experiências e fazer com que elas possam ser disseminadas e aproveitadas no mercado catarinense.

Durante esses encontros, os participantes ainda poderão estabelecer uma rede de contatos e parcerias que podem ajudar no futuro dos seus empreendimentos, trazendo ideias inovadoras e processos de gestão diferenciadas. A viagem também aproximará empresas, criando oportunidades de investimento.

Conheça alguns dos pilares da cultura de mercado do Vale do Silício:

A região do Vale do Silício, na Baía de São Francisco, é conhecida por ser disruptiva, inovadora e estar sempre em ritmo acelerado. Juntos, esses quesitos atraem investimentos robustos e permitem que as 19 cidades do grupo recebam cerca de 40% de todo o investimento anual nos Estados Unidos, de acordo com dados do Silicon Valley Indicators.

Mas como essa região se tornou um polo de tecnologia com lucros na casa dos U$ 130 bilhões anualmente? Devido a cinco pilares que, associados, criaram um ambiente perfeito para inovar e surpreender.

  1. Compartilhar experiências: trocar informações dentro do seu nicho de mercado ajuda no aprendizado e evolução do seu grupo. A parceria entre empresas da região e de fora dela auxilia no desenvolvimento de novas oportunidades. Cooperação é uma palavra-chave para o trabalho e pode ser a diferença no seu crescimento empresarial.
  2. Criatividade: criar, inventar e não se limitar ao comum, permitir-se ousar dentro do seu empreendimento para ser diferente dentro do seu segmento de mercado.
  3. Inovação: buscar novas estratégias e práticas pode ser o diferencial para a evolução de um negócio. Não se prender a padrões anteriores, trazer novas ideias e informações para conquistar resultados diferentes é fundamental para se manter competitivo.
  4. Aceitar os riscos: apostar em novas estratégias pode trazer riscos grandes – mas também benefícios incomparáveis. Não ter medo de arriscar e falhar, superar e melhorar com os erros é um método de aprendizado e desenvolvimento muito comum no Vale do Silício.
  5. Excelência no trabalho: seja o melhor naquilo que você faz. Seja de forma individual ou em grupo, buscar formação e educação na sua área pode trazer grandes benefícios para seu negócio.

Todos esse fatores somados tornaram a região de São Francisco um grande centro de companhias de sucesso. E é por isso que o Senac Santa Catarina criou o projeto de levar empresários para entrar em contato com esse ecossistema. Para Thiago Marques, responsável técnico da Missão Técnica Vale do Silício, a viagem representa uma experiência única para o empresários, algo que deve ser aproveitado do início ao fim. “O que eu recomendo é vivenciar isso, entender a prática, o clima e a estrutura do Vale do Silício. A ideia é voltar com essa bagagem de métodos e ferramentas e adaptar isso para atender as necessidades do nosso mercado”.

A Missão Técnica do Vale do Silício é uma oportunidade única de aprendizado para quem quer desenvolver seus empreendimentos e aumentar suas realizações profissionais. Participe e procure mais informações sobre a Missão Técnica do Vale do Silício através do site: http://senac.sc/A4w5JQ.

O que é design thinking e como aplicá-lo na sua empresa?

É consenso no mercado que grande parte do crescimento de uma empresa é resultado da qualidade do produto ou serviço que ela oferece. Mas é necessário muito planejamento e alinhamento de estratégias para que isso esteja de acordo com as necessidades do cliente. Uma das formas de fazer essa organização é através de design thinking.

Além de mapear as necessidades do mercado, o design thinking procura apontar os objetivos da instituição, conhecendo os seus consumidores e trabalhando em equipe para fortalecer a empresa e a busca por inovações.

Mas se engana quem acredita que esse é um método aplicável apenas às grandes empresas: é possível começar um negócio com base nessa metodologia e filtrar grandes oportunidades desde o início! Se você é um microempreendedor em busca de novas possibilidades, essa é uma alternativa ideal para alavancar as suas ideias e criar um ambiente de trabalho interativo!

Por onde começar uma estratégia baseada em design thinking?

Imagine um time de futebol que pretende vencer uma grande competição. Antes de procurar novas oportunidades, normalmente ele começa conhecendo o seu adversário para investir nos seus pontos fracos. Essa é uma ideia fundamental para qualquer objetivo de inovação e procura por resultados positivos, não só no esporte como também na sua própria empresa! Por isso, comece pesquisando sobre a concorrência, os produtos que ela oferece, os indicativos do mercado, projetos em andamento. Isso já te dará boas ideias de onde você pode atuar e que tipos de estratégias seriam legais de desenvolver.

Mas você deve estar se perguntando: onde entra o trabalho em equipe que sempre se vê em metodologias de design thinking? Em todos os momentos! Desde o início é importante que os funcionários compartilhem do mesmo objetivo e saibam o que está sendo desenvolvido. A reunião “física” de todos se dá no momento de analisar os dados e avaliar os caminhos que podem tomar.

Os resultados foram bons? Então é a hora da implementação!

Toda essa ideia de aproximação com o consumidor, pesquisa sobre as suas necessidades e projeção de novas ideias fazem parte de um processo conhecido como brainstorm.

Após ele, é fundamental que qualquer idealização seja prototipada e colocada em um período de teste. Dessa forma, antes de veicular uma inovação, você tem a noção se ela vai realmente funcionar. Se a nova ideia se baseia em unir dois tipos de serviços por um preço reduzido, por exemplo, experimente colocá-la no mercado como um teste de um mês. Se os resultados atingirem o esperado, ele certamente estará pronto para ser lançado oficialmente para os seus consumidores!

Só não esqueça: alcançar o objetivo uma única vez não basta para permanecer com os bons resultados. O design thinking é uma metodologia contínua que procura sempre inovar, para isso, deve ser implementada e melhorada por todo o time permanentemente! Uma dica para unir os funcionários de forma interativa e organizada é aplicar também o gerenciamento kanban. E aí, prontos para começar?!

 

Nem ONG nem empresa tradicional: entenda o que são os negócios sociais

Os negócios sociais são o novo investimento do mercado. Com um modelo empresarial diferente, ele começa através de uma aplicação inicial, que pode ser de capital privado ou público, e todo lucro obtido é reinvestido na empresa e nos funcionários. O principal objetivo dos negócios sociais é impactar de forma positiva uma comunidade ou um grupo de pessoas. A ideia é solucionar ou ajudar de alguma maneira a reduzir os problemas sociais e ambientais de forma sustentável.

Seja no ramo de educação, saúde, nutrição ou tecnologia, os negócios sociais oferecem um serviço ou produto específico. Além disso, são autossustentáveis, ou seja, não dependem de doações para se manter. Nesse modelo de negócio todo lucro gerado é revertido para a própria instituição e funcionários. Os resultados de um negócio social devem necessariamente influenciar de forma positiva uma comunidade, através da geração de renda compartilhada.

Oportunidade é outro fator chave. Essas instituições dão espaço para pessoas que estão à margem da sociedade, seja por algum tipo de vulnerabilidade social ou deficiência motora e/ou intelectual. A inclusão facilita para que esses cidadãos possam ter novas experiências e perspectivas de emprego.

A 5 principais características dos negócios sociais

  1. Oferecer um produto ou serviço que beneficia um grupo de pessoas.
  2. Ser autossustentável.
  3. Causar um impacto positivo dentro de uma comunidade.
  4. Gerar lucro para ser reinvestido na empresa e nos funcionários para ampliação e fortalecimento do negócio.
  5. Oferecer oportunidades para indivíduos à margem da sociedade.

Entenda melhor como funcionam os negócios sociais

É importante ressaltar que os negócios sociais não funcionam como trabalho de voluntariado. Pelo contrário, todos os trabalhadores são remunerados pelo lucro obtido com a comercialização dos serviços ou produtos. Esta geração de empregos favorece a inclusão das pessoas no mercado de trabalho, além de ofertar experiência e geração de renda de forma inovadora.

Existem diversos exemplos de negócios sociais que podem servir de inspiração para você começar o seu. Em Santa Catarina, por exemplo, existe a Coepad, uma cooperativa social formada por pessoas com deficiência intelectual que produz agendas, blocos, cadernos e envelopes de papel reciclado de forma artesanal. Pais e amigos tiveram a ideia de criar essa instituição como uma forma de aprendizado e ocupação para seus filhos e colegas. Todos os cooperados recebem salário e são maiores de 18 anos.

Outro exemplo é a Rede Asta, que foi fundada em 2005 com a missão de empoderar artesãs de áreas vulneráveis do Rio de Janeiro. As mulheres que participam transformam resíduos sólidos em artigos personalizados e criativos. A rede oferece cursos de artesanatos e consultoria para elas possam manter seu negócio de forma lucrativa e sustentável.

Como criar seu próprio negócio social?

Uma grande referência nesse assunto é a Yunus Negócios Sociais. Eles oferecem suporte para pessoas que têm interesse em montar seu próprio negócio social. Por meio de investimentos, eles ajudam na criação de novos empreendimentos e oferecem serviços de consultoria para dar maior segurança para quem quer entrar nesse ramo.

Se você quer empreender e montar seu próprio negócio social, o Senac SC possui diversos cursos na área de Gestão e Negócios. Confira todas as opções e tenha as melhores dicas e oportunidades com nossos cursos. Acesse: http://senac.sc/gbq8pH

Marmitas saudáveis: dicas para organizar a sua alimentação e economizar

 

Manter uma rotina de hábitos saudáveis é um objetivo que faz parte dos planos de muitas pessoas. Quantas vezes você já prometeu mudar a sua alimentação no início da semana e acabou esquecendo de continuar um dia depois? Especialmente para quem tem uma vida agitada e costuma fazer suas refeições fora de casa, essa é uma dificuldade bastante comum. No entanto, com a alternativa de preparar as suas próprias marmitas saudáveis, é possível ter uma alimentação de qualidade e ainda economizar uma boa quantia no fim do mês! Vamos começar?!

5 dicas para fazer marmitas saudáveis

1 – Comece planejando

Para aqueles que fogem das marmitas por imaginar um cardápio repetido, esse não será um problema se houver planejamento. Comece montando uma tabela com refeições práticas que você planeja comer durante a semana e separe um dia para comprar os alimentos necessários com base nela. Além do mercado, as feiras são essenciais para ter em mãos legumes frescos e com preços mais acessíveis. Se o objetivo é uma alimentação saudável, não fuja das verduras, ok.

2 – Hora do preparo!

Com todos os alimentos necessários em mãos, chegou a hora de colocar a mão na massa! Lembre que, na hora do preparo, a quantidade de cada alimento não deve ser muito maior daquela que você pretende levar, até porque o objetivo é alterar o cardápio diariamente.  Além disso, dê preferência para opções com menos molhos, já que a possibilidade de misturar com os outros alimentos pode tirar a sensação de ter uma refeição fresca na sua marmita. Uma dica para quem não quer deixar de lado os molhos e temperos é ter sempre em mãos recipientes separados para carregá-los!

Queijos, ovos, frituras e derivados de leite alteram a textura após o congelamento e, por isso, não são boas alternativas.

3 – O que eu posso levar?

Comece combinando a quantidade de cada alimento para que a sua refeição seja rica em nutrientes necessários. Para isso, é interessante equilibrar ¼ da porção com um carboidrato, a mesma quantidade em proteínas, dois tipos de salada e uma opção de leguminosa. Confira algumas ideias para colocar na sua marmita saudável:

Proteínas: Carnes, peixes, frango, grão de bico e quinoa.

Carboidratos: Arroz, batatas (assadas ou cozidas), inhame, milho, cuscuz, risotos, macarrão integral e lasanhas de legumes.

Legumes: Alface, brócolis, cenoura, rúcula, couve picada, tomate, palmito e pepino.

4 – Em busca da textura original das saladas!

As saladas costumam ser o maior ponto de questionamento quando o assunto é montar uma marmita saudável. Isso porque, sem um preparo adequado, elas costumam alterar a textura e o sabor. Por isso, é fundamental o processo de branqueamento, que consiste em colocar os legumes em um recipiente com água gelada após o seu cozimento. Simples, não é mesmo?

O armazenamento também faz toda a diferença na hora de preparar uma porção atrativa de verduras. Primeiramente, escolha um recipiente individual para levá-las, já que na hora de aquecer a sua refeição essa poderá ser uma dificuldade a mais. É interessante também deixar os molhos e temperos embaixo da porção e misturar só na hora de comer, dessa forma a textura não é comprometida.

5 – Armazenando de forma segura

Os recipientes de vidro são os mais recomendados para o armazenamento de comida e para aquecê-las em micro-ondas. Isso porque eles não liberam nenhum tipo de substância ao serem expostos a altas temperaturas. O mesmo já não pode-se dizer de todos os potes de plástico. Alguns deles podem contaminar a comida com as toxinas bisfenol A ou ftalatos quando são aquecidos.

Você pode conferir se o seu recipiente de plástico é ou não indicado para ser aquecido ao procurar por uma garantia da Anvisa, que faz o controle e regulamentação desses produtos.

Independente do material, se você puder escolher, opte pelos potes que contêm divisórias. Até porque ver uma marmita organizada ajuda (e muito) a abrir o apetite!

E você, costuma preparar as suas próprias marmitas? Compartilhe com a gente as suas dicas para deixá-las ainda mais saborosas e saudáveis! (;